“Não gosto do helicóptero porque ele atira para baixo e as pessoas morrem” - as crianças do Complexo da Maré e Witzel

Os recorrentes tiroteios registrados durante as incursões policiais nas comunidades do Rio de Janeiro levaram a ONG Redes da Maré a anexar mais de 1,5 mil cartas e desenhos, feitos por crianças do complexo de 16 comunidades pobres que integram o Complexo da Maré, à petição que pede o restabelecimento de uma ação civil pública que regula e restringe as ações policiais no local e que foi revalidada nesta quarta-feira (14)

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os recorrentes tiroteios registrados durante as incursões policiais nas comunidades do Rio de Janeiro levaram a ONG Redes da Maré a anexar mais de 1,5 mil cartas e desenhos, feitos por crianças do complexo de 16 comunidades pobres que integram o Complexo da Maré, à petição que pede o reestabelecimento de uma ação civil pública que regula e restringe as ações policiais no local e que foi revalidada nesta quarta-feira (14). “Não gosto do helicóptero porque ele atira para baixo e as pessoas morrem”, diz uma das cartas enviada aos desembargadores fluminenses. 

De acordo com reportagem o jornal El País, a ação civil pública foi aceita pela Justiça no segundo semestre de 2017 e resultou na diminuição da violência  pelo período de um ano. A decisão, porém, foi revista e acabou sendo suspensa em junho deste ano. 

O apelo dos moradores fez com que a ação fosse revalidada esta semana mediante o reestabelecimento de padrões mínimos para as ações policiais, como a presença de uma ambulância e a proibição de incursões nos horários de entrada e saída das escolas. 

De acordo com reportagem, um levantamento feito pela ONG Redes da Maré apontou que “27 pessoas morreram apenas no primeiro semestre de 2019, 10% a mais que ao longo de todo o ano de 2018, quando 24 pessoas foram mortas. Além disso, 15 pessoas faleceram durante as 21 operações policiais ocorridas no primeiro semestre; as outras 12 morreram durante os 10 confrontos entre facções criminosas que dominam as comunidades da Maré”. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email