Em crítica à Lava Jato, ex-presidente do STF diz que juízes viraram "justiceiros"

Ex-presidente do STF Cezar Peluso criticou os excessos cometidos por integrantes da Lava Jato, como revelado pelo site The Intercept, e disse que muitos juízes se tornaram “justiceiros”. "Vivi, como juiz, a ditadura militar e jamais me passou pela cabeça um juiz, a modo de justiceiro da Sacra Inquisição, exercer a função para realizar projetos político-ideológicos ou preconceitos de caráter pessoal", disse. “Quando os juízes deixam de ser juízes e passam a ser justiceiros, estamos todos perdidos", completou

Peluso deve se aposentar antes de votar
Peluso deve se aposentar antes de votar (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Cezar Peluso, criticou os excessos cometidos por integrantes da Lava Jato, como revelado pelo site The Intercept, e disse que muitos juízes se tornaram “justiceiros”.  "Vivi, como juiz, a ditadura militar e jamais me passou pela cabeça um juiz, a modo de justiceiro da Sacra Inquisição, exercer a função para realizar projetos político-ideológicos ou preconceitos de caráter pessoal", disse o jurista durante um evento em Campos do Jordão (SP). “Quando os juízes deixam de ser juízes e passam a ser justiceiros, estamos todos perdidos", completou

Peluso também condenou o uso de certos mecanismos ela Lava Jato, como as conduções coercitivas para a tomada de depoimento , o que, segundo ele, “põe em jogo a ilegalidade [das decisões] porque o fim útil justifica qualquer atividade." Para ele, o “messianismo” demonstrado por parte do Judiciário deve ser combatido. "Quando o juiz é incapaz de conhecer limites, ele não quer saber nada, o futuro tem de ser encontrado de qualquer jeito. Foi escolhido por Deus para mudar a ordem jurídica do país", disse. 

Peluso criticou indiretamente o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, ao afirmar "alguns juízes descobrem que é mais importante estar na mídia do que qualquer outra coisa. Alguns até descobrem sua verdadeira vocação, largam o Judiciário e vão cuidar de outra coisa". "[O juiz tem de] ser recatado, não tem de tentar projetar sua imagem na mídia social, porque isso já é um fator que concorre para ele deixar de ser juiz. Esta é uma das vertentes da disfuncionalidade do Judiciário", observou. 

Ainda segundo ele, a Lava Jato se tornou uma espécie "metáfora do país", que não pode jamais ser questionada. "Já é mais do que uma instituição, é a própria imagem do país. Quem é contra os excessos da Lava Jato não respeita o país", comentou. "Isso acarreta, como não podia deixar de ser, uma série de problemas graves", emendou. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247