Em live, Bolsonaro ignora os quase 100 mil brasileiros mortos pela Covid-19 e culpa governadores pela alta no desemprego

Ao lado de Eduardo Pazzuelo, ministro interino da Saúde, Jair Bolsonaro lembra da bomba de Hiroshima, que vitimou 90 mil pessoas, e ignorou os quase 100 mil brasileiros que perderam a vida pela Covid. Ele ainda culpa prefeitos e governadores pelos 9 milhões de desempregados

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - No dia em que o país registrou 98.493 mortes em decorrência do novo coronavírus, Jair Bolsonaro lamentou em sua live nas redes sociais, ao lado do ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, os mortos pela bomba de Hiroshima que ocorreu em 6 de agosto de 1945, há 75 anos.

“Falar em 6 de agosto lembra da bomba de Hiroshima. 1945. 90 mil a 160 mil mortes numa só bomba na Segunda Guerra Mundial”, disse Bolsonaro ao abrir a sua live semanal nesta quinta-feira (6). 

"Realmente, lembrarmos aqui os horrores da guerra. E um país que quer paz, Pazzuelo, tem que fazer o que?", questionou Bolsonaro. "Prepare-se para a guerra", respondeu Pazzuelo.

Novamente não falou sobre os registro de mortes no Brasil pela pandemia, mas falou sobre os número de desempregados no país. Disse os nove milhões de desempregos no último trimestre — durante a pandemia do coronavírus - são resultados da política de prefeitos e governadores, que decidiram apoiar o fechamento do comércio.

"Quase nove milhões perderam empregos no segundo trimestre. Eu já vinha falando lá atrás que teria no mínimo duas ondas. Muita gente diz, e eu também digo, que esse efeito colateral é mais grave que o próprio vírus [...] Desemprego, em grande parte, alguns governadores e prefeitos têm essa responsabilidade", afirmou.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247