Em novo ataque homofóbico, Bolsonaro proíbe universo LGBT em campanhas estatais

Em reunião no Banco do Brasil com diversas agências de publicidade, determinou-se, por orientação do Planalto, que palavras como "lacrou" e outras ligadas ao universo LGBT estão proibidas de ser usadas em qualquer tipo de peça publicitária e de divulgação; determinação vale para todas as estatais e vem um dia após Bolsonaro ter barrado uma propaganda do Banco do Brasil

Em novo ataque homofóbico, Bolsonaro proíbe universo LGBT em campanhas estatais
Em novo ataque homofóbico, Bolsonaro proíbe universo LGBT em campanhas estatais (Foto: Esq.: Adriano Machado - Reuters / Dir.: Marcelo Camargo - ABR)

247 - Em reunião no Banco do Brasil com inúmeras agências de publicidade, determinou-se, por orientação do Planalto, que palavras como "lacrou" e outras ligadas ao universo LGBT estão proibidas de serem usadas em qualquer tipo de peça publicitária e de divulgação. A informação é do colunista Maurício Lima, na coluna Radar. 

A determinação, uma espécie de "Dicionário da Censura" vale para todas as estatais.

Entenda 

Uma campanha publicitária do Banco do Brasil dirigida para o público jovem, divulgando o serviço de abertura de conta corrente por aplicativo no celular, foi retirada do ar por recomendação do presidente Jair Bolsonaro. O episódio também envolveu a saída do diretor de Comunicação e Marketing do banco, Delano Valentim, que atualmente está de férias.

Durante a manhã desta quinta-feira, Bolsonaro também disparou ataques à comunidade LGBT ao dizer que  "O Brasil não pode ser um país do mundo gay, de turismo gay. Temos famílias" (leia mais aqui).

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247