Em processo no TCU, PF ataca e compara INPE a taxistas contra Uber

Em processo no TCU, PF segue a linha de Hamilton Mourão e acusa instituto de "desonestidade intelectual" para manter contrato de R$ 49 milhões com empresa dos EUA para monitorar desmatamento

(Foto: Reuters | INPE)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - Alvo de Jair Bolsonaro, Hamilton Mourão e Ricardo Salles, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), responsável pelo monitoramento das queimadas em regiões como a Amazônia e o Pantanal, agora enfrenta ataques da Polícia Federal, que em ação no Tribunal de Contas da União (TCU) compara o órgão a taxistas, que tentaram proteger seu mercado de atuação impedindo a entrada da Uber.

Segundo reportagem da coluna Painel, na edição deste sábado (19) da Folha de S.Paulo, a PF acusa o Inpe promove desinformação para não perder o que classifica como monopólio dos dados sobre desmatamento no Brasil.

A contestação da PF se deu após a ministra Ana Arraes, do TCU, suspender o contrato da instituições com a Planet, empresa dos EUA que foi contratada para fazer o monitoramento por satélite das queimadas.

Confira a reportagem completa na Revista Fórum

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247