Em seu novo crime na live, Bolsonaro usou vídeo de astrólogo que diz fazer acupuntura em árvores

Jair Bolsonaro usou referências grotescas para disseminar mentiras sobre o sistema eleitoral brasileiro, cometendo novo crime de responsabilidade

Ato na Avenida Paulista em 24 de julho
Ato na Avenida Paulista em 24 de julho (Foto: Reprodução/Twitter | Elineudo Meira)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 – "Jair Bolsonaro citou na live desta quinta-feira (29) vídeo de denúncias sobre suposta fraude na eleição de 2014 protagonizado por Alexandre Chut, astrólogo que já disse fazer acupuntura em árvores.Chut, que se apresenta como acupunturista, psicólogo e ambientalista, aparece em vídeo de 2018 de Naomi Yamaguchi, suplente de deputada federal e irmã de Nise Yamaguchi, médica defensora da cloroquina. Embora faça denúncia sobre contagem de votos nas eleições no vídeo, Chut se dedica a atividades pouco relacionadas com a ciência política ou a estatística", informa a jornalista Patrícia Campos Mello, em reportagem publicada na Folha de S. Paulo.

"Ele ganhou notoriedade em 2012 ao declarar que fazia acupuntura em árvores—espetava pregos (em vez de agulhas) nas junções dos troncos com os galhos", relembra a jornalista. O nome do vídeo com a participação de Chut é "Prova das fraudes nas urnas! Exclusivo e Urgente", e foi postado em 2018 na página de Naomi Yamaguchi, então eleita como suplente no cargo de deputada federal pelo PSL, partido pelo qual Bolsonaro concorria à Presidência.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email