Empresário acusado de corrupção na Suíça e em Israel contrata Moro para atacar a Vale

O empresário israelense Benjamin Steinmetz, acusado de corrupção em Israel e na Suíça, contrata Sergio Moro

www.brasil247.com - Sergio Moro, Benjamin Steinmetz e logo da Vale
Sergio Moro, Benjamin Steinmetz e logo da Vale (Foto: Lula Marques | Reuters)


247 - O empresário israelense Benjamin Steinmetz, acusado de corrupção na Suíça e em Israel, contratou o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro para apresentar duas notícias-crimes contra a Vale envolvendo a ex-sociedade que ele manteve com a mineradora na Guiné. Moro foi contratado antes de se tornar diretor da consultoria estadunidense Alvarez & Marsal. 

A Vale investiu US$ 500 milhões, em 2010, para ser sócia de Steinmetz na mina de Simandou, na Guiné. O empresário teria pago propina ao governo do país africano sem a mineradora saber. Depois ele perdeu ação arbitral em Londres e foi condenado a ressarcir a Vale em US$ 2,2 bilhões, mas não pagou e teve os bens bloqueados. A informação foi publicada pelo jornal Valor Econômico

Além de Moro, o jurista Pedro Serrano também foi contratado pelo empresário.

O primeiro pedido de investigação do empresário foi apresentado ao Ministério Público Federal do Rio (MPF-RJ) em outubro com o objetivo de apurar práticas de crime de corrupção e de tráfico de influência de ex-executivos da Vale. O outro pedido foi feito na esfera estadual do MP do Rio, sobre possíveis violações da empresa, seus administradores e ex-administradores contra o mercado de capitais. 

Nos últimos tempos, Steinmetz começou a conduzir investigações por meio da Black Cube, empresa israelense de investigação. A ideia seria coletar depoimentos de ex-executivos da Vale e tentar provar que a mineradora sabia dos riscos do projeto de minério de ferro Simandou.

A procuradora da República, Carolina Bonfadini de Sá, informou que o MPF vai requerer a instauração de inquérito policial para apurar supostos crimes cometidos pela Vale em transação comercial internacional envolvendo a Vale no projeto.

Em nota, a Vale disse que "os pedidos de investigação de Steinmetz perante autoridades brasileiras são apenas mais uma tentativa desesperada dele se furtar ao pagamento da condenação de US$ 2 bilhões à Vale, conforme decidido por tribunais arbitrais e judiciais na Inglaterra e nos Estados Unidos, que reconheceram que a Vale jamais teve qualquer conhecimento das ações corruptas praticadas pela BSGR na Guiné".

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email