Enchentes em MG e RJ já tiram quase 30 mil de casa

Em Minas, mais de 14 mil pessoas tiveram de deixar suas residncias; Ponte Nova ( dir.) um dos municpios que entraram em situao de emergncia desde o incio do perodo chuvoso; no Rio de Janeiro, cheia do rio Muria (centro) rompeu o segundo dique na regio de Campos; governo se rene para definir aes

Enchentes em MG e RJ já tiram quase 30 mil de casa
Enchentes em MG e RJ já tiram quase 30 mil de casa (Foto: AGÊNCIA ESTADO)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com agências – O período de chuvas deste ano tem deixado estragos cada vez maiores em cidades de Minas Gerais e do Rio de Janeiro. Segundo informações do último boletim da Defesa Civil do estado mineiro, divulgado nesta segunda-feira, mais de 14 mil pessoas já tiveram de deixar suas casas, sendo 12.875 desalojadas (saída temporária da residência) e 1.240 desabrigados (que perderam a moradia). Até agora, são 104 municípios em situação de emergência e 157 afetados pelas enchentes. Ainda de acordo com o boletim, mais de 2,2 milhões de pessoas foram prejudicadas, duas estão desaparecidas e há registro de 12 mortes desde o início das chuvas. O número de casas prejudicadas subiu para 5.714, sendo que 131 ficaram totalmente danificadas. O Estado teve 112 pontes destruídas e 148 danificadas.

No Rio de Janeiro, o rompimento de um segundo dique na noite deste domingo desalojou 900 pessoas no distrito de Outeiro, na cidade de Cardoso Moreira, no norte fluminense. Segundo a Defesa Civil de Campos, a situação atual está normalizada e as famílias começaram a ser retiradas do local. A forte chuva da madrugada de sábado (7) parou e as águas do Muriaé baixaram, mas a cidade continua em situação de emergência, além de mais seis municípios do Estado. O dique foi rompido pela força das águas do rio Muriaé. De acordo com a Secretaria de Defesa Civil do Rio, até a noite de ontem, 10.759 pessoas estavam desalojadas e 3.980 desabrigadas em todo o estado por conta das chuvas. Itaperuna, Italva e Laje do Muriaé foram os municípios que apresentaram o maior índice de chuvas - um acumulado de 100mm em 24 horas.

Às 10h30 desta segunda-feira, cinco ministros que estavam reunidos ontem à noite se encontraram com a presidente Dilma para apresentar um balanço de ações à presidente Dilma Rousseff. As chuvas mobilizaram a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e os titulares da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, dos Transportes, Paulo Passos, e da Saúde, Alexandre Padilha. Na reunião deste domingo, cada ministério apresentou um balanço das ações da pasta no enfrentamento das enchentes, além de ter definido novas medidas para os próximos dias. Entre as ações, o governo estuda uma parceria com a Vale e a Universidade Federal de Ouro Preto, em Minas Gerais, para o envio de geólogos que vão avaliar a situação da cidade histórica, fortemente atingida pelos temporais.

Chuva interrompe produção de minério da Vale

Agência Estado - A mineradora Vale informou hoje que as fortes chuvas em Minas Gerais estão causando "interrupções temporárias" na produção de suas minas de minério de ferro. Segundo a companhia, essas interrupções por breves períodos de tempo são motivadas por razões de segurança.

Ainda de acordo com a Vale, os níveis gerais de produção das minas no Estado não foram afetados, e o transporte ferroviário do minério continua normalmente, segundo informou um assessor de imprensa. As minas mineiras respondem por quase 50% da produção total de minério da companhia. No terceiro trimestre de 2011, a produção no Estado totalizou 31,29 milhões de toneladas. 

Minas Gerais tem sido atingido por fortes chuvas desde o fim do ano passado. Pelo menos seis pessoas já morreram, milhares tiveram de deixar suas casas e dezenas de cidades estão em estado de alerta ou emergência. E segundo as previsões meteorológicas as chuvas devem continuar. As informações são da Dow Jones.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email