Enquanto Bolsonaro faz lobby por armas, um jovem morre baleado a cada hora

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro faz lobby em defesa de armar a população como forma de combater a violência urbana, a cada 60 minutos, uma criança ou um adolescente morre no Brasil em decorrência de ferimentos por arma de fogo; levantamento da Sociedade Brasileira de Pediatria aponta que somente em em 2016  foram registrados 9.517 óbitos entre crianças e adolescentes no país; o dobro do identificado há 20 anos e o pico da série histórica

Enquanto Bolsonaro faz lobby por armas, um jovem morre baleado a cada hora
Enquanto Bolsonaro faz lobby por armas, um jovem morre baleado a cada hora (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Paula Laboissière, repórter da Agência Brasil - A cada 60 minutos, uma criança ou um adolescente morre no Brasil em decorrência de ferimentos por arma de fogo. Entre 1997 e 2016, mais de 145 mil jovens com até 19 anos faleceram em consequência de disparos acidentais ou intencionais, como em casos de homicídio e suicídio. Os dados fazem parte de um levantamento divulgado hoje (20) pela Sociedade Brasileira de Pediatria.

De acordo com o estudo, que considerou dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, em 2016, ano mais recente disponível, foram registrados 9.517 óbitos entre crianças e adolescentes no país. O número é praticamente o dobro do identificado há 20 anos – 4.846 casos em 1997 – e representa, em valores absolutos, o pico da série histórica.

O levantamento mostra que, a cada duas horas, uma criança ou adolescente dá entrada em um hospital da rede pública de saúde com ferimento por disparo de arma de fogo. Entre 1999 e 2018, foram registradas quase 96 mil internações de jovens com até 19 anos no Sistema Único de Saúde (SUS).

Em 2016, foram registradas 9.517 mortes violentas de crianças e adolescentes no país - Fernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil
Despesas
As principais causas externas de morte por arma de fogo nessa faixa etária estão relacionadas a homicídios (94%), seguidos de intenções indeterminadas (4%), suicídios (2%) e acidentes (1%). No caso das internações, embora as tentativas de homicídio continuem na liderança (67%), é bastante expressivo o volume de acidentes (26%) envolvendo arma de fogo.

A avaliação contabilizou ainda as despesas diretas do SUS com pacientes atendidos após contato com armas de fogo. Nos últimos 20 anos, as internações de crianças e adolescente provocadas por disparos custaram mais de R$ 210 milhões aos cofres públicos.

O estudo considerou causas de morbidade hospitalar e mortalidade identificadas nas bases oficiais do Ministério da Saúde como acidentais, suicídios ou tentativas de suicídio, homicídios ou tentativas de homicídio e intenções indeterminadas.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247