Esquerda volta a "se credenciar junto ao povo", diz Juliano Medeiros, presidente do PSOL

Ele destacou a derrota dos candidatos apoiados por Bolsonaro e disse que “dá para virar o jogo em 2022”

Juliano Medeiros
Juliano Medeiros (Foto: Brasil 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Brasil de Fato – Para o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, as pesquisas de boca de urna e os resultados preliminares das eleições municipais revelam dois aspectos importantes: a derrota dos candidatos apoiados pelo presidente Jair Bolsonaro e a reabilitação da esquerda junto ao eleitorado. Ele também ressaltou o crescimento do seu partido, principalmente com a provável ida de Guilherme Boulos para o segundo turno, na disputa pela prefeitura de São Paulo.

Na edição especial do programa Brasil TVT, de cobertura e análise das eleições municipais, Medeiros afirmou que os prognósticos que diziam que os partidos de esquerda enfrentariam dificuldades nessas eleições se mostraram “absolutamente equivocados”.

“A esquerda, ao ter defendido os direitos sociais, a ciência, a saúde e o emprego volta a se credenciar junto ao povo brasileiro”, destacou .

Sobre a derrota dos candidatos apoiados por Bolsonaro, ele disse que os brasileiros não querem mais o bolsonarismo no poder. “A maior parte dos candidatos apoiados por Bolsonaro teve desempenho muito ruim. A população brasileira, experimentando dois anos de governo de extrema-direita, conclui que não é uma boa para as suas sociedades”, afirmou.

Democracia

Os resultados mostram, segundo Medeiros, “que dá para virar o jogo em 2022, sem sombra de dúvidas”. Por outro lado, ele destacou que a deterioração democrática no Brasil é muito grande, citando o golpe do impeachment contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, a prisão sem provas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a vitória de Bolsonaro como sintomas dessa degradação.

Tratou também dos casos de violência política contra integrantes do seu partido. O caso mais recente é da deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ), impedida de votar em função de ameaças de grupos milicianos. Contudo, a defesa dos direitos e da democracia é o caminho para o fortalecimento dos partidos de esquerda, como o PSOL, segundo ele.

Ademais, Medeiros ainda destacou Boulos como “a principal liderança política da luta contra o governo Bolsonaro”. “O eleitor progressista de São Paulo está sabendo reconhecer esse importante papel, dando a ele a oportunidade de disputar o segundo turno contra os tucanos.”

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247