Estimulado por Bolsonaro, maior grupo armado do Brasil quer se tornar partido político

Grupo dos CACs (Caçadores, Atiradores e Colecionadores) tem 34 pré-candidatos disputando as eleições deste ano e planeja virar partido político em 2023

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução | Pixabay)


247 - O grupo dos chamados CACs, formado por caçadores, atiradores e colecionadores de armas de fogo, considerado o maior grupo civil armado do país, se articula para formar uma bancada no Congresso Nacional a partir de 2023. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, em todo o país existem 34 pré-candidaturas a deputado federal, senador e governador, além de outros 23 pré-candidatos aos legislativos aos legislativos estaduais e do Distrito Federal, ligados à Associação Proarmas, a mais representativa da classe. O grupo também pretende criar um partido político. 

Estimulado pela corrida armamentista defendida por Jair Bolsonaro (PL) e seus apoiadores, o número de integrantes dos CACs registrado no país explodiu nos últimos anos e já supera o efeito das polícias militares e até das Forças Armadas. 

>>> Registros de armas de fogo por civis crescem 320% em estados bolsonaristas

Os CACs, que em 2018 contabilizavam 117.467, já chegam a 673.818 inscritos até meados deste ano. “O montante supera todos os 406 mil policiais militares da ativa que atuam em todo o País e ainda é maior que o efetivo de cerca de 360 mil homens das Forças Armadas”, destaca a reportagem.

Um dos pré-candidatos do grupo é o líder do Proarmas, o advogado Marcos Pollon. Ele anunciou que iria disputar uma vaga à Câmara pelo Mato Grosso do Sul poucos dias após ser recebido por Jair Bolsonaro em uma reunião no Palácio do Planalto.

Atualmente, a chamada Bancada da Bala Congresso Nacional tem  o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), que já fez lobby em defesa de indústrias de armas e munições, como um de seus principais articuladores.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247