Ex-PGR defende que Aras denuncie Bolsonaro à Justiça

Claudio Fonteles argumentou que a presença semanal de Bolsonaro em manifestações que pedem o fechamento do Congresso e do STF é um ato de incitação à subversão da ordem política. "Isso não significa que você está a incitar a quebra da ordem democrática?", questionou

(Foto: Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-procurador-geral da República (PGR) Claudio Fonteles defendeu nesta terça-feira, 2, que o atual PGR, Augusto Aras, já deveria ter denunciado Jair Bolsonaro à Justiça pelo crime de prevaricação, com base nos fatos revelados desde a demissão de Sérgio Moro. 

"O presidente diz, em mensagem encaminhada ao então ministro [da Justiça] Sergio Moro: 'Você tem 27 superintendências, eu quero apenas uma, a do RJ'. Depois, em 23 de abril passado, quando o site 'O Antagonista' estampa reportagem sobre investigação sobre deputados bolsonaristas, ele afirma: 'Há mais um motivo para a troca [da chefia da PF]'. Terceiro: o depoimento do Maurício Valeixo [ex-diretor-geral da PF] mostra que ele não foi exonerado a pedido", afirmou Fonteles em entrevista por videoconferência ao UOL. "Fosse eu o PGR, já teria encaminhado perguntas para que o presidente respondesse por escrito", afirmou.

Fonteles afirmou que vê a presença semanal de Bolsonaro em manifestações que pedem o fechamento do Congresso e do STF (Supremo Tribunal Federal) em Brasília como um ato de incitação à subversão da ordem política e social. "Isso não significa que você está a incitar a quebra da ordem democrática?", questionou.

Em artigo publicado no Brasil 247, Fonteles já havia defendido a denúncia de Bolsonaro pela PGR. "Que o Procurador-Geral da República, presente o princípio reitor da atividade do Ministério Público, que é o princípio constitucional da independência funcional - §1º do artigo 122, da Constituição Federal – cumpra com o seu dever funcional e, no caso Jair Messias Bolsonaro, acuse-o ante o Supremo Tribunal Federal pelo crime de prevaricação", escreveu Fonteles no artigo. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email