Fachin nega recurso para adiar julgamento de Lula marcado para dia de seu aniversário

Ministro do STF Edson Fachin negou pedido da defesa de Lula para suspender o julgamento do caso do tríplex no Guarujá no STJ marcado para esta terça-feira (27), mesmo dia em que o ex-presidente completa 75 anos

Ministro Edson Fachin e Lula
Ministro Edson Fachin e Lula (Foto: STF | Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Edson Fachin, ministro do STF, negou pedido da defesa do ex-presidente Lula para suspender julgamento do caso do tríplex no Guarujá no Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

O julgamento está previsto para ocorrer nesta terça-feira (27), dia em que o petista completa 75 anos, às 14h. 

Os ministros da Quinta Turma do STJ analisarão hoje recurso apresentado pela defesa de Lula, por meio de embargos de declaração, pedindo redimensionamento e mudança do regime inicial de cumprimento da pena, além da redução do valor mínimo de indenização. Além disso, serão julgados embargos de declaração apresentados pelo Ministério Público Federal. 

Mas os advogados de Luiz Inácio Lula da Silva pediram o adiamento do julgamento alegando que decisões anteriores do STJ comprometeram o direito de defesa de Lula. A defesa do ex-presidente também aponta que o STF não julgou o habeas corpus que pede a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso de Lula na primeira instância. 

Acesso a acordos da Petrobras

Além disso, os advogados do petista pediram para ter acesso a todos os acordos assinados entre autoridades dos Estados Unidos e a Petrobras no âmbito da operação Lava Jato. De acordo com a defesa, os documentos são necessários para demonstrar que Lula não teve participação nos crimes dos quais é acusado. 

Os acordos comprovariam que a Petrobras assumiu a culpa dos crimes investigados pela operação Lava Jato, evidenciando que Lula não era chefe de uma organização criminosa. 

No entanto, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Superior Tribunal Federal, a quem coube analisar o pedido de adiamento, entendeu que não havia "ilegalidade evidente no caso" que justificasse a suspensão do julgamento. 

Lula foi condenado por Moro a 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex, mas o STJ reduziu a pena a oito anos e dez meses em abril de 2019. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247