Fachin nega soltar Lula em ação que aponta suspeição de procuradores

O ministro Edson Fachin negou pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula por suspeição dos procuradores da Lava Jato, com base nos conteúdos revelados pela Vaza Jato. O recurso ainda terá julgamento definitivo pela Segunda Turma do Supremo, mas não há previsão de data

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro Edson Fachin, so Supremo Tribunal Federal (STF),  negou nesta quinta-feira (29) um pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula por suspeição dos procuradores da Lava Jato, com base nos conteúdos revelados pela Vaza Jato.

A defesa do ex-presidente argumentou que os procuradores não cumpriram os deveres da impessoalidade e da legalidade, o que causa a nulidade do processo.

No entanto, o ministro considerou que, ao analisar em junho se Lula deveria ser solto por conta da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro, a Segunda Turma já negou conceder decisão para libertar o ex-presidente.

"Sendo assim, prima facie, sem prejuízo de ulterior reapreciação da matéria no julgamento final do presente habeas corpus, indefiro a liminar", afirmou Fachin.

Além de negar a liminar, Fachin recusou o pedido de autorização para perícia nas mensagens entre procuradores da Lava Jato de Curitiba, que de acordo com as revelações do The Intercept atuaram em conluio para condenar e prender o ex-presidente.

A defesa também solicitou a suspensão das ações do sítio de Atibaia e do Instituto Lula, com base nos mesmo argumentos.

O recurso negado por Fachin ainda terá julgamento definitivo pela Segunda Turma do Supremo, mas não há previsão de data.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247