"Fadinha" foi dos seringueiros para os banqueiros

Esforço para transformar a biografia de Marina Silva num conto da Carochinha é a melhor forma que seus aliados têm para tentar fugir do debate político, mas que pouco favorece a candidata, que cresceu pouco nas últimas pesquisas e até estagnou, segundo o Datafolha de ontem; conforme escreve Paulo Moreira Leite, em seu blog no 247, "a verdade é que o conto de fadas de Marina Silva encontra-se no capítulo deprimente e decisivo em que a personagem central não mudou de ideia, mudou de lado"; "Trocou a liderança de Chico Mendes e Wilson Pinheiro, heróis dos povos da floresta, pelos conselhos de Roberto Freire, embaixador de José Serra em sua campanha, além de assessores que são conselheiros profissionais dos inimigos do povo", diz ele

Esforço para transformar a biografia de Marina Silva num conto da Carochinha é a melhor forma que seus aliados têm para tentar fugir do debate político, mas que pouco favorece a candidata, que cresceu pouco nas últimas pesquisas e até estagnou, segundo o Datafolha de ontem; conforme escreve Paulo Moreira Leite, em seu blog no 247, "a verdade é que o conto de fadas de Marina Silva encontra-se no capítulo deprimente e decisivo em que a personagem central não mudou de ideia, mudou de lado"; "Trocou a liderança de Chico Mendes e Wilson Pinheiro, heróis dos povos da floresta, pelos conselhos de Roberto Freire, embaixador de José Serra em sua campanha, além de assessores que são conselheiros profissionais dos inimigos do povo", diz ele
Esforço para transformar a biografia de Marina Silva num conto da Carochinha é a melhor forma que seus aliados têm para tentar fugir do debate político, mas que pouco favorece a candidata, que cresceu pouco nas últimas pesquisas e até estagnou, segundo o Datafolha de ontem; conforme escreve Paulo Moreira Leite, em seu blog no 247, "a verdade é que o conto de fadas de Marina Silva encontra-se no capítulo deprimente e decisivo em que a personagem central não mudou de ideia, mudou de lado"; "Trocou a liderança de Chico Mendes e Wilson Pinheiro, heróis dos povos da floresta, pelos conselhos de Roberto Freire, embaixador de José Serra em sua campanha, além de assessores que são conselheiros profissionais dos inimigos do povo", diz ele (Foto: Gisele Federicce)

247 – Os aliados da candidata Marina Silva tentam transformar sua biografia em um conto de fadas, afirma Paulo Moreira Leite, em novo artigo em seu blog no 247. A estratégia, porém, não tem sequer favorecido a presidenciável, que de acordo com as pesquisas eleitorais divulgadas ontem, ela cresceu pouco. Segundo o Datafolha, a candidata do PSB estagnou, com 34% dos votos, contra 35% da presidente Dilma.

A verdade, porém, ressalta PML, "é que o conto de fadas de Marina Silva encontra-se no capítulo deprimente e decisivo em que a personagem central não mudou de ideia, nem fez uma revisão de suas convicções — o que é natural nas pessoas civilizadas. Mudou de lado. Você sabe o que isso significa".

O jornalista prossegue: "Marina passou dos seringueiros aos banqueiros. Trocou a liderança de Chico Mendes e Wilson Pinheiro, heróis dos povos da floresta, pelos conselhos de Roberto Freire, embaixador de José Serra em sua campanha, além de assessores que são conselheiros profissionais dos inimigos do povo".

"Abandonou os empates do Acre, luta que pretendia barrar a expansão do capitalismo e da propriedade privada na Amazonia, por uma campanha privatista, contra as principais empresas estatais, a começar pela Petrobras. Hoje Marina é a esperança de executivos como Roberto Setubal, principal gestor do Itaú, que, num discurso pronunciado ontem, disse que a campanha de 2014 mudará os rumos de um país que "não quer mais gestões medíocres e populistas", lembra ainda Paulo Moreira Leite.

Leia a íntegra de seu texto em A fadinha que foi dos seringueiros aos banqueiros

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247