"Faltou coragem a Maia para pautar impeachment", diz Gleisi

A presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, considera a possibilidade de um impeachment contra Jair Bolsonaro com Lira na presidência ficou ainda mais difícil. "Com o Arthur Lira fica muito mais difícil. O Arthur Lira foi feito com apoio e a base do Bolsonaro”.

(Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasil de Fato - A deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR) lamentou que Rodrigo Maia (DEM-RJ), ex-presidente da Câmara dos Deputados, não tenha colocado nenhum dos pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em votação.

“É muito triste a postura do Maia, que tinha tudo para entrar com o pedido de impeachment antes de terminar seu mandato. Poderia ter feito isso e não fez. Acho que faltou coragem ao ex-presidente da Casa para fazer isso", afirmou Hoffmann, que é presidenta nacional do PT.

Durante a entrevista, que ocorreu no canal do Youtube do Brasil de Fato, a petista enviou um recado ao presidente eleito da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). “Se ele trouxer os métodos bolsonaristas para a Câmara, terá muita dificuldade. Não foram 145 deputados que não votaram nele, 221 não votaram”, alertou. 

Hoffmann considera a possibilidade de um impeachment contra Jair Bolsonaro com Lira na presidência ficou ainda mais difícil. "Com o Arthur Lira fica muito mais difícil. O Arthur Lira foi feito com apoio e a base do Bolsonaro”.

O resultado da eleição, foram 302 votos favoráveis à candidatura de Lira e 145 para seu opositor, Baleia Rossi (MDB-SP), surpreendeu Hoffmann. “A diferença foi maior [do que o esperado]".

A presidenta nacional do PT atribui essa votação expressiva em Lira ao racha da direita liberal que compunha o bloco com a oposição.

"O DEM saiu do bloco, as crises com o PSDB e com os partidos que estavam fechados com o Rodrigo Maia. Isso teve um efeito devastador nos votos da Casa. O Lira acabou ganhando com uma votação expressiva, o que nos preocupa bastante, pois hegemoniza as relações da Casa."

A análise do resultado passa, também, pela reavaliação da composição de um bloco uníssono entre representantes da direita que se opõe ao governo de Jair Bolsonaro.

“Mostra que a direita liberal não consegue se unir. Ou seja, aquela discussão de que a direita liberal tem condições de ser uma alternativa [ao Bolsonaro], costurando uma aliança mais ampla...eles não tem condições. Vai caber à esquerda fazer uma oposição consistente e sistemática ao Bolsonaro.”

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email