'Farei de novo', diz deputado que usou cota parlamentar para bancar fake news pró-Bolsonaro

O deputado Delegado Francischini (PSL), coordenador da campanha do candidato de extrema direita à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), que doou R$ 24 mil de sua cota parlamentar à RFA, maior rede de divulgação de fake news e contas falsas nas redes sociais, para impulsionar a sua candidatura e a postulação do presidenciável, disse que faria tudo de "novo; "Estão ouvindo? Os esquerdinhas dos jornalistas espalhados por aí. Vou fazer de novo. Vou apoiar todas as páginas de direita que produzam conteúdo contra a vagabundagem do PT", disparou

www.brasil247.com - 'Farei de novo', diz deputado que usou cota parlamentar para bancar fake news pró-Bolsonaro
'Farei de novo', diz deputado que usou cota parlamentar para bancar fake news pró-Bolsonaro (Foto: Wallace Machado/Reprodução/Facebook)


247 - O deputado Delegado Francischini (PSL), coordenador da campanha do candidato de extrema direita à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), que doou R$ 24 mil de sua cota à RFA, maior rede de divulgação de fake news e contas falsas nas redes sociais, para impulsionar a sua candidatura e a postulação do presidenciável, disse que faria tudo de "novo. "Fiz licitamente, abertamente, e farei de novo. Estão ouvindo? Os esquerdinhas dos jornalistas espalhados por aí. Vou fazer de novo. Vou apoiar todas as páginas de direita que produzam conteúdo contra a vagabundagem do PT, contra a bandidagem que assaltou o nosso país", disparou.

Ele disse, ainda, que pediria ao Facebook o reestabelecimento das contas excluídas. Matéria do Brasil 247 publicada nesta segunda-feira (22), diz que "o Facebook desbaratou o esquema ilegal e retirou do ar 68 páginas e 43 contas da rede social que, juntas, formavam a maior rede pró-Bolsonaro da internet. A doação de Francischini abre um precedente que liga diretamente a campanha do ex-militar às contas falsas, o que poderia caracterizar crime eleitoral".

Para o parlamentar, "se são um grupo de jovens juntos que montaram uma empresa e faziam disso a sua atividade principal, que mal tem isso num País que está cheio de ladrão, cheio de bandido, cheio de vagabundo roubando dinheiro público? Sem vergonhice o que estão fazendo".
Francischini também admitiu que usava a estrutura partidária para produzir conteúdo ligado a extrema direita, antes do começo da campanha eleitoral. "Isso é fake news, criticar (a esquerda?)?", "Temos de dar trabalho para esses jovens que estão começando e não foram doutrinados para serem petistas e socialistas em sala de aula", atacou.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email