FHC pede que PSDB repudie elogios de Bolsonaro a torturador

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pediu que o seu partido, o PSDB, "repudie com clareza" a declaração do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) que homenageou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, acusado de praticar torturas contra presos políticos durante a ditadura militar; O PSDB precisa repudiar com clareza essas afirmações, que representam uma ofensa aos cidadãos do país e, muito especialmente, aos que sofreram torturas", escreveu FHC no Facebook; "É inaceitável que tantos anos após a Constituição de 1988 ainda haja alguém com a ousadia de defender a tortura e, pior, elogiar conhecido torturador", completou

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pediu que o seu partido, o PSDB, "repudie com clareza" a declaração do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) que homenageou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, acusado de praticar torturas contra presos políticos durante a ditadura militar; O PSDB precisa repudiar com clareza essas afirmações, que representam uma ofensa aos cidadãos do país e, muito especialmente, aos que sofreram torturas", escreveu FHC no Facebook; "É inaceitável que tantos anos após a Constituição de 1988 ainda haja alguém com a ousadia de defender a tortura e, pior, elogiar conhecido torturador", completou
Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pediu que o seu partido, o PSDB, "repudie com clareza" a declaração do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) que homenageou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, acusado de praticar torturas contra presos políticos durante a ditadura militar; O PSDB precisa repudiar com clareza essas afirmações, que representam uma ofensa aos cidadãos do país e, muito especialmente, aos que sofreram torturas", escreveu FHC no Facebook; "É inaceitável que tantos anos após a Constituição de 1988 ainda haja alguém com a ousadia de defender a tortura e, pior, elogiar conhecido torturador", completou (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pediu que o seu partido, o PSDB, "repudie com clareza" a declaração do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) que homenageou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, acusado de praticar torturas contra presos políticos durante a ditadura militar. Os elogios de Bolsonaro a Ustra foram proferidos durante o seu voto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff no último domingo (17).

"O PSDB precisa repudiar com clareza essas afirmações, que representam uma ofensa aos cidadãos do país e, muito especialmente, aos que sofreram torturas", escreveu o ex-presidente em sua página pessoal no Facebook. "É inaceitável que tantos anos após a Constituição de 1988 ainda haja alguém com a ousadia de defender a tortura e, pior, elogiar conhecido torturador", completou.

FHC também citou que "o processo do impeachment começa agora a tramitar no Senado. Esperamos que os trâmites legais sejam todos cumpridos, sem delongas. E quando chegar o momento da decisão dos senadores, que a votação se processe de forma conveniente, sem declarações estapafúrdicas (sic) como algumas que testemunhamos na Câmara dos Deputados. Especialmente uma me desagradou, aquela proferida pelo deputado Bolsonaro", postou.

Bolsonaro elogiou o coronel Brilhante Ustra ao afirmar que ele foi o "pavor de Dilma Rousseff", quando ele este esteve à frente do DOI-Codi, em São Paulo entre os anos de 1970 e 1974. A presidente Dilma Rousseff foi presa e torturada por agentes da ditadura nas dependências da instituição, Ustra morreu de câncer em outubro do ano passado.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247