Filha de Jucá é sócia de empresa beneficiada com mineração na Amazônia

Na semana passada, o governo Michel Temer decidiu extinguir a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), criada em 1984, provocou protestos de políticos, ambientalistas e especialistas no setor; em artigo no jornal O Globo, o jornalista Arnaldo Bloch afirma que Marina Jucá, filha do senador Romero Jucá, é sócia majoritária da Boa Vista Mineração, que tem 90 mil hectares ali requeridos

Senador Romero Jucá (PMDB-RR)
Senador Romero Jucá (PMDB-RR) (Foto: José Barbacena)

247 - Na semana passada, o governo Michel Temer decidiu extinguir a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), criada em 1984, provocou protestos de políticos, ambientalistas e especialistas no setor. Por meio de decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU), foi liberada para extração de ouro e outros minerais nobres uma área com cerca de 47 mil quilômetros quadrados localizada entre os estados do Pará e o Amapá.

Em artigo no jornal O Globo, o jornalista Arnaldo Bloch afirma que Marina Jucá, filha do senador Romero Jucá, é sócia majoritária da Boa Vista Mineração, que tem 90 mil hectares ali requeridos.

"Além disso, tramita a PEC 215, determinando a revisão das demarcações em aberto e das homologadas, o que vai contra a Constituição. Mas, no paraíso das PECs, quem se importa? Com Temer no comando e Jucá no leme, e sem uma resistência eloquente, a mineração pode comemorar, pois no Brasil ninguém vai para a rua protestar por causa de floresta. A extinção da atual reserva (que, aliás, tem sete unidades de terras indígenas), na fronteira entre Pará e Amapá (olha o Sarney aí, gente) tem jeito de aperitivo antes de o inferno tomar conta da mata virgem, patrimônio nosso e da Humanidade", diz ele.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247