Flávio Bolsonaro usa recurso de perseguidos na ditadura para obter dados de investigação contra ele

O senador quer que a Receita Federal e o Serpro forneçam o resultado das buscas feitas nos sistemas do Fisco que buscaram identificar acessos a seus dados fiscais

Flávio Bolsonaro
Flávio Bolsonaro (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) ingressou na Justiça Federal nesta quinta-feira (10) para pedir que a Receita Federal e o Serpro disponibilizem a ele o resultado das buscas feitas nos sistemas do Fisco que buscaram identificar acessos aos dados fiscais do parlamentar.

A defesa de Flávio entrou na Justiça com um habeas data, um recurso raramente utilizado no meio jurídico e que tem por objetivo fornecer ao cidadão as informações que o Estado tem sobre ele. Tal recurso foi usado por perseguidos da ditadura militar no Brasil após a redemocratização para que as vítimas pudessem obter os materiais produzidos pelo regime sobre elas.

De acordo com a Folha de S. Paulo, a Receita Federal fez uma ampla busca em dados fiscais de Jair Bolsonaro e família, incluindo Fabrício Queiroz, operador financeiro de Flávio. 

Advogados do senador afirmam não ter recebido o resultado da apuração. A Receita diz que os “logs” são sigilosos. “Revelar os logs de acesso a determinada declaração ou dado fiscal, ou para que fim foi acessado, ou quem o acessou, sem motivação contundente, é revelar as ações da Administração Tributária no desempenho de suas funções legais, bem como a própria informação protegida por sigilo fiscal". O órgão ainda diz que a disponibilização dos dados colocaria servidores em risco. “Os servidores estariam expostos à cooptação criminosa de pessoas físicas e jurídicas, visando à obtenção de informações pertinentes não somente à sua situação fiscal e tributária própria e de terceiros, mas de eventuais procedimentos investigativos em curso na RFB”.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email