Flávio Dino: militares não podem estar atrelados a “uma facção extremista e passageira”

O governador do Maranhão, Flávio Dino, criticou a cúpula militar brasileira dizendo que ela “não pode estar atrelada ou subordinada a um lado da política brasileira. Pior quando se cuida de uma facção extremista e passageira”. Dino contestou a reação militar contra o ministro do STF Gilmar Mendes. No sábado, ele disse que o Exército “se associando a esse genocídio”, referindo-se à pandemia

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governador do Maranhão, Flávio Dino (Pc do B) criticou na noite deste domingo (12) a cúpula militar brasileira por sua reação à manifestação do ministro do STF Gilmar Mendes, que afirmara sábado estar o Exército “se associando a esse genocídio”, numa referência à ocupação militar do Ministério da Saúde. Segundo Dino, a cúpula das Forças Armadas “não pode estar atrelada ou subordinada a um lado da política brasileira. Pior quando se cuida de uma facção extremista e passageira”.

Em um tweet, Dino afirmou: “A cúpula das Forças Armadas deve entender que uma instituição de ESTADO - que exerce monopólio de uso da força em nome da NAÇÃO - não pode estar atrelada ou subordinada a um lado da política brasileira. Pior quando se cuida de uma facção extremista e passageira”.

Veja:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email