Forças Armadas aprovam compra de 35 mil unidades de viagra

Marinha e Aeronáutica justificaram que o medicamento será utilizado para tratar hipertensão arterial pulmonar. Maior lote será destinado à Marinha: 28 mil comprimidos

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


247 -  As Forças Armadas aprovaram a compra de 35 mil unidades de um remédio que é conhecido para tratar disfunção erétil, chamado popularmente de viagra, com a justificativa  de que o medicamento será utilizado para tratamento de pacientes com Hipertensão Arterial Pulmonar (HAP), informa a coluna da jornalista Bela Megale em sua coluna no jornal O Globo.

De acordo com o deputado federal Elias Vaz (PSB-GO), que fez a denúncia e pediu informações ao Ministério da Defesa, às informações, disponíveis no Portal da Transparência e do Painel de Preços do governo federal, mostram que os processos de compra foram homologados em 2020 e 2021 e seguem válidos neste ano. Unidades ligadas aos comandos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica realizaram oito pregões cada.

O maior lote de Viagra será destinado à Marinha: 28.320 comprimidos, Exército com cinco mil comprimidos e outros dois mil para Aeronáutica. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Marinha e a Aeronáutica informaram que as licitações visam o tratamento de pacientes com Hipertensão Arterial Pulmonar (HAP), " uma doença grave e progressiva que pode levar à morte”. O Exército não respondeu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email