Freixo: permanência de Moro no Ministério da Justiça é "insustentável"

"Isso é muito grave. Moro deu acesso a dados sigilosos da investigação sobre os laranjas do PSL para Bolsonaro. Mais uma vez, Moro atua de forma ilegal e antiética. Seu cargo no Ministério da Justiça é insustentável", afirmou o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ)

Marcelo Freixo
Marcelo Freixo
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) afirmou que a conduta do ministro da Justiça Sergio Moro, reveladas pelos novos trechos das conversas divulgadas pelo Intercept-Veja nesta sexta-feira (5), foi "definitivamente criminosa" ao se colocar contra uma delação do ex-deputado Eduardo Cunha.

"Moro não pode mais continuar usando os resultados da Operação Lava Jato para se defender dos crimes cometidos por ele", afirma o deputado em entrevista ao UOL. "Porque assim, ele estabelece a cultura de que no Judiciário os fins justificam os meios", completou.

"Não cabe a um juiz fazer uso político de delações. Não cabe a um juiz ficar selecionando que delação interessa ou não. Isso é de uma parcialidade assustadora. A Constituição foi completamente rasgada", acrescenta.

Em sua página nas redes sociais, Freixo comentou a informação de que Moro repassou informações das investigações da Polícia Federal sobre as candidatura laranjas do PSL para o presidente Jair Bolsonaro, que pertence ao partido.

"Isso é muito grave. Moro deu acesso a dados sigilosos da investigação sobre os laranjas do PSL para Bolsonaro. Mais uma vez, Moro atua de forma ilegal e antiética. Seu cargo no Ministério da Justiça é insustentável", defendeu.


O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email