Fundo do Pré-sal: Senado aprova projeto que retira R$ 242 bilhões da saúde e educação

De acordo com o texto que segue para sanção presidencial, os recursos do Fundo Social do Pré-sal vão para expandir a rede de gasodutos do país e para despesas correntes de Estados e municípios

Senado corta pela metade recursos do pré-sal para educação e saúde
Senado corta pela metade recursos do pré-sal para educação e saúde
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Criado para financiar as áreas sociais, o Fundo Social do Pré-Sal sofre alterações após aprovação de projeto no Senado que pode retirar R$ 242 bilhões nos próximos 20 anos da saúde e educação. De acordo com o texto, os recursos vão para expandir a rede de gasodutos do país e para despesas correntes de Estados e municípios em meio à uma crise do teto de gastos.

De acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, entre 2020 e 2040, período previsto do projeto, o Fundo Social deve arrecadar R$ 500 bilhões com a comercialização do pré-sal a que a União tem direito. Pelo projeto de lei aprovado, R$ 97 bilhões passam a ser direcionados para o Brasduto e R$ 145 bilhões para os fundos de participação de Estados (FPE) e municípios (FPM), que podem ser usados livremente pelos governadores e prefeitos para bancar qualquer tipo de despesa.

A Câmara dos Deputados havia aprovado medida segundo a qual Estados e municípios deveriam usar esse dinheiro que abasteceria FPE e FPM em saúde e educação. No entanto, o Senado retirou essa obrigação na úiltima quinta-feira (13) sob o argumento de que a vinculação engessaria os orçamentos dos governos regionais. O texto segue para sanção presidencial.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247