“Gatinho angorá”: intervenção no que destruiu

O jornalista Marcelo Auler escreve em seu blog sobre a responsabilidade do ministro Moreira Franco pelo fracasso da intervenção federal na segurança do Rio; "A intervenção foi obra e graça do "Gato Angorá". Um apelido com o qual Brizola batizou Moreira Franco. Dinheiro para lá, dinheiro para cá, no entanto, na contabilidade das propinas da Odebrecht acabou merecendo um diminutivo, sabe-se lá por que", continua Auler

Ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, fala na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, sobre a situação das obras dos aeroportos, o remanejamento de voos para o período da Copa (Antonio Cruz/Agência Brasil)
Ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, fala na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, sobre a situação das obras dos aeroportos, o remanejamento de voos para o período da Copa (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Romulo Faro)

247 - "Já não resta mais dúvida a ninguém. A intervenção federal foi Rio foi feita sem planejamento, "nas coxas". Isso fica patente diante de fatos simples, rituais que deveriam ter sido respeitados, mas acabaram atropelados. Por exemplo, a consulta oficial ao Conselho da República e ao Conselho de Defesa Nacional. Meras formalidades? Mas estão previstas na Constituição Federal, cujo respeito foi jurado pelos que assaltaram o poder em 2016", escreve o jornalista Marcelo Auler em seu blog.

"A intervenção foi obra e graça do "Gato Angorá". Um apelido com o qual Brizola batizou Moreira Franco. Dinheiro para lá, dinheiro para cá, no entanto, na contabilidade das propinas da Odebrecht acabou merecendo um diminutivo, sabe-se lá por que", continua Auler.

Leia mais aqui.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247