Generais negociam cargos com o Centrão para evitar processo de impeachment de Bolsonaro

A ala militar do governo de extrema-direita de Jair Bolsonaro está realizando intensas negociações de cargos com o Centrão, agrupamento político-partidário conhecido pelo chamado toma lá, dá cá e por práticas de corrupção

O general Luiz Eduardo Ramos conduz as negociações com o Centrão
O general Luiz Eduardo Ramos conduz as negociações com o Centrão (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Quase dois anos depois do ataque do general Augusto Heleno, hoje ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, que na campanha eleitoral dizia ser o Centrão “a materialização da impunidade”, os generais do Palácio do Planalto estão envolvidos em negociações de cargos com o grupo.

No afã de evitar a abertura de um processo de impeachment de Bolsonaro, a ala militar deu as mãos ao Centrão. Ironicamente, a aliança dos generais com o Centrão está sendo chamada em Brasília de “Centrão Verde-Oliva”.

A negociação, com aval de Bolsonaro, tem sido capitaneada pelo ministro-chefe da Secretaria de Governo e general da ativa, Luiz Eduardo Ramos. O ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, também general, eventualmente participa das conversas que ocorrem dentro do Palácio do Planalto, informa O Estado de S.Paulo

O principal negociador do  Centrão é o líder dos Progressistas na Câmara, o deputado Arthur Lira (AL), que informalmente passou a exercer a liderança do governo. O Centrão de Bolsonaro ainda tem Republicanos, PL, PSD, Solidariedade, PTB e parte do DEM.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247