Gestão privada facilitou massacre de Manaus

Peritos do MNPCT (Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura), órgão ligado ao Ministério da Justiça, avaliam que a gestão terceirizada do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, foi um dos fatores que facilitou o massacre que deixou 56 mortos, uma vez que isso "distancia ainda mais o Estado da rotina do local"; outro fator teria sido a divisão dos detentos por facções criminosas

Peritos do MNPCT (Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura), órgão ligado ao Ministério da Justiça, avaliam que a gestão terceirizada do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, foi um dos fatores que facilitou o massacre que deixou 56 mortos, uma vez que isso "distancia ainda mais o Estado da rotina do local"; outro fator teria sido a divisão dos detentos por facções criminosas
Peritos do MNPCT (Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura), órgão ligado ao Ministério da Justiça, avaliam que a gestão terceirizada do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, foi um dos fatores que facilitou o massacre que deixou 56 mortos, uma vez que isso "distancia ainda mais o Estado da rotina do local"; outro fator teria sido a divisão dos detentos por facções criminosas (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Peritos do MNPCT (Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura), órgão ligado ao Ministério da Justiça, acreditam que a gestão privada facilitou o massacre que deixou 56 detentos mortos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus (AM).

Isso porque, na avaliação dos especialistas, a gestão terceirizada "distancia ainda mais o Estado da rotina do local", conforme informaram à reportagem do portal UOL. Outro fator teria sido a divisão dos detentos por facções criminosas nos presídios do Amazonas.

Assim, quem basicamente regula os cárceres do Amazonas são as pessoas presas, as quais criam regras de conduta extremamente rígidas, em grande parte, de caráter ilegal", afirmaram os peritos Thais Duarte e Ribamar Araujo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email