Gilmar Mendes alertou que Bolsonaro pode ser julgado em tribunal internacional

Durante a crise com as Forças Armadas gerada pelas críticas que o ministro do STF Gilmar Mendes fez à condução da crise sanitária pelo governo e os militares, Bolsonaro conversou com o ministro da alta corte que o alertou sobre risco de ser julgado em tribunal internacional

Gilmar Mendes e Jair Bolsonaro
Gilmar Mendes e Jair Bolsonaro (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro ouviu de Gilmar Mendes  um alerta sobre o risco de a gestão da pandemia por seu governo ser julgada no Tribunal Penal Internacional, em Haia (Holanda).

A conversa ocorreu depois que Gilmar Mendes afirmou no último fim de semana que ao ocupar postos-chave no Ministério da Saúde, durante a pandemia da Covid-19 par postos-chave na Saúde o Exército está se associando a um genocídio.

Durante conversa por telefone, Bolsonaro sugeriu que Gilmar falasse também com Pazuello e disse que orientaria o ministro da Saúde a procurá-lo, o que ocorreu na terça (14), informa a Folha de S.Paulo.

Na conversa com Bolsonaro, o ministro do STF alertou o presidente sobre o risco de o caso parar no Tribunal Penal Internacional. Gilmar tem ouvido a possibilidade durante conversas em Portugal, onde está passando o recesso do Judiciário. A interlocutores afirma estar estarrecido com a imagem externa do país na pandemia.

É real o risco de grupos de pressão e mesmo indivíduos fazerem representações contra mandatários de outros países na corte, estabelecida em 2002. Um processo deste tipo pode resultar até em prisão do mandatário.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247