“Gilmar Mendes desmoraliza a si e ao STF”, diz presidente da ANPR

Para o presidente da Associação Nacional de Procuradores Federais, José Robalinho Cavalcanti, os ataques do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes ao procurador-geral da República Rodrigo Janot são "descabidos e destemperados"; para Cavalcanti, "é inadmissível que um juiz, ainda que fosse um juiz de primeira instância, faça comentários remotamente parecidos", reforçou o presidente da associação nacional de procuradores

Para o presidente da Associação Nacional de Procuradores Federais, José Robalinho Cavalcanti, os ataques do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes ao procurador-geral da República Rodrigo Janot são "descabidos e destemperados"; para Cavalcanti, "é inadmissível que um juiz, ainda que fosse um juiz de primeira instância, faça comentários remotamente parecidos", reforçou o presidente da associação nacional de procuradores
Para o presidente da Associação Nacional de Procuradores Federais, José Robalinho Cavalcanti, os ataques do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes ao procurador-geral da República Rodrigo Janot são "descabidos e destemperados"; para Cavalcanti, "é inadmissível que um juiz, ainda que fosse um juiz de primeira instância, faça comentários remotamente parecidos", reforçou o presidente da associação nacional de procuradores (Foto: Charles Nisz)

247 - Em entrevista à Rádio Gaúcha, o presidente da Associação Nacional dos Procuradores Federais (ANPR), José Robalinho Cavalcanti, criticou os ataques sofridos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. "Os ataques de Gilmar Mendes a Rodrigo Janot são destemperados para um juiz, ainda mais sendo Gilmar um juiz da Suprema Corte".

Para Cavalcanti, os ataques de ordem pessoal contra o chefe da PGR, "desmoralizam não apenas a pessoa do ministro Gilmar Mendes, mas a instituição do STF como um todo". "É inadmissível que um juiz, ainda que fosse um juiz de primeira instância, faça comentários remotamente parecidos", reforçou o presidente da associação nacional de procuradores.

Ainda na opinião de Cavalcanti, o ministro Gilmar está visivelmente desequilibrado e abalado pela situação judicial-política do país e está fazendo comentários descabidos sobre a relação entre o procurador Janot e Marcelo Muller, ex-procurador federal. Muller é acusado de auxiliar os delatores da JBS em firmar acordos de delação quando ainda atuava como procurador.

De acordo com o presidente da ANPR, os ataques de Gilmar contra Janot são de ordem pessoal. Cavalcanti diz que Gilmar já atacou a PGR, mas não é o atual caso. "Um juiz que se antecipa dessa forma, em casos que vai julgar (a suspeição de Janot pedida por Temer), é algo inadequado e Gilmar deveria se declarar suspeito", encerrou Cavalcanti.    

Ouça a entrevista de José Robalinho Cavalcanti.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247