Gilmar Mendes diz que Moro e procuradores da Lava Jato criaram um "esquadrão da morte" em Curitiba

Ministro Gilmar Mendes, do STF, voltou a condenar as ilegalidades praticadas por Sérgio Moro e pelos procuradores liderados por Deltan Dallagnol. "O que se instalou em Curitiba era um grupo de esquadrão da morte, totalmente fora dos parâmetros legais", disse ele ao mencionar a atuação conjunta de Moro e do MPF para condenar Lula

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), voltou nesta sexta-feira (12) a fazer críticas às ilegalidades praticadas por procuradores e pelo ex-juiz Sérgio Moro na operação Lava Jato

Em entrevista ao jornalista Tales Faria, do UOL, o ministro STF demonstrou que não há dúvidas de que Sergio Moro e os procuradores liderados por Deltan Dallagnol atuaram em conjunto para a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"Temos que fazer consertos, reparos, para que isso não mais se repita, não se monte mais esse tipo de esquadrão da morte. Porque o que se instalou em Curitiba era um grupo de esquadrão da morte, totalmente fora dos parâmetros legais", afirmou Gilmar Mendes.

"Acho tudo isso lamentável, todos nós de alguma forma sofremos uma manipulação disso que operava em Curitiba. Acho que temos que fazer as correções devidas, tenho dito e enfatizado que Lula é digno de um julgamento justo", completou o magistrado. 

'Lavajatismo é pai do bolsonarismo'

Na entrevista ao UOL, o ministro Gilmar Mendes afirmou que as ações da Lava Jato contribuíram para o surgimento do movimento de extrema-direita no Brasil, liderado por Jair Bolsonaro. 

"Acho que a gente até pode dizer que Deus realmente seja brasileiro e esteja nos dando uma chance de fazer uma revisão, mas, eu já disse, o lavajatismo de alguma forma é pai e mãe do bolsonarismo", afirmou o ministro do Supremo.

O ministro falou sobre como o ex-juiz Moro interferia no trabalho do Ministério Público, direcionando as ações dos procuradores. 

Confira:


Durante seu voto no julgamento da 2ª turma do STF que deu acesso à defesa de Lula às mensagens apreendidas na operação Spoofing, nessa terça-feira (9), Gilmar Mendes leu diversos trechos das mensagens trocadas entre Dallagnol e Moro, que mostram que o ex-juiz e o procurador se ajudavam. "Isto tem a ver com o processo penal? Ou esses fatos não existiram ou, se existiram, eles são de uma gravidade que comprometem a existência da Procuradoria Geral da República", afirmou. "Se alguém acha que esse tipo de conduta encontra respaldo em qualquer código de processo penal da América Latina, por favor, peça um aparte", completou o ministro. 

 Inscreva-se na TV 247, seja membro, e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email