Golpista, Aloysio Nunes diz que Moro golpeou Dilma

Embora tenha sido um dos grandes articuladores do golpe, o ex-ministro das Relações Exteriores do governo Temer agora diz que Moro vendeu peixe podre ao STF

(Foto: Agencia Brasil/Antonio Cruz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em entrevista aos jornalistas José Marques e Felipe Bächtold, da Folha de S.Paulo, o ex-chanceler do governo golpista de MIchel Temer, um dos maiores defensores da destituição da ex-presidenta Dilma Rousseff, agora considera que houve uma "manipulação política do impeachment" pela força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e pelo ex-juiz Sergio Moro, atual ministro do governo de extrema-deireita de Jair Bolsonaro. 

O político do PSDB de São Paulo afirma que isto ficou provado após a divulgação de mensagens trocadas entre procuradores da operação, obtidas pelo site The Intercept Brasil.   

O ex-chanceler passou a chefiar a Investe SP (agência de fomento de São Paulo) no governo João Doria (PSDB), mas foi obrigado a deixar o cargo após ser alvo de busca e apreensão na 60ª fase da Lava Jato, a Ad Infinitum.  ​  

Aloysio Nunes está envolvido no escândalo que levou à prisão preventiva Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, suspeito de ser operador do PSDB. 

No último mês, foi revelado que o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro relatou, em sua deelação premiada que Aloysio teria pedido propina para financiar campanhas do PSDB em troca da liberação de recursos de obras em São Paulo.  

Na entrevista à Folha Aloysio diz que após as revelações das mensagens de procuradores ficou "profundamente chocado com o que aconteceu na Lava Jato".  

Ele afirma que a divulgação de telefonema entre a então presidente Dilma e o ex-presidente Lula em 2016, que resultou em decisão do Supremo Tribunal Federal que barrou a posse de Lula como chefe da Casa Civil do governo, impediu o governo petista de recompor sua base e barrar o impeachment.  "Eles manipularam o impeachment, venderam peixe podre para o Supremo Tribunal Federal. Isso é muito grave", afirma Aloysio.

Leia a íntegra da entrevista 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247