González: verdadeira crise do Brasil é política

O ex-presidente da Espanha, Felipe González, disse nesta segunda (29), em entrevista ao programa Brasilianas.org, que a verdadeira crise do Brasil é política e não econômica; segundo ele, a Europa passou por crise muito pior; "Vejo o Brasil bem. Vive a crise econômica como se fosse um desafio muito sério, mas não é. Vejo a crise política mais grave que a econômica. Grave foi a crise que vivemos, a crise que vive a Grécia. Isso sim é grave", afirmou

O ex-presidente da Espanha, Felipe González, disse nesta segunda (29), em entrevista ao programa Brasilianas.org, que a verdadeira crise do Brasil é política e não econômica; segundo ele, a Europa passou por crise muito pior; "Vejo o Brasil bem. Vive a crise econômica como se fosse um desafio muito sério, mas não é. Vejo a crise política mais grave que a econômica. Grave foi a crise que vivemos, a crise que vive a Grécia. Isso sim é grave", afirmou
O ex-presidente da Espanha, Felipe González, disse nesta segunda (29), em entrevista ao programa Brasilianas.org, que a verdadeira crise do Brasil é política e não econômica; segundo ele, a Europa passou por crise muito pior; "Vejo o Brasil bem. Vive a crise econômica como se fosse um desafio muito sério, mas não é. Vejo a crise política mais grave que a econômica. Grave foi a crise que vivemos, a crise que vive a Grécia. Isso sim é grave", afirmou (Foto: Valter Lima)

Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil

O ex-presidente da Espanha, Felipe González, disse hoje (29), em entrevista ao programa Brasilianas.org, que a verdadeira crise do Brasil é política e não econômica. Segundo ele, a Europa passou por crise muito pior. “Vejo o Brasil bem. Vive a crise econômica como se fosse um desafio muito sério, mas não é. Vejo a crise política mais grave que a econômica. Grave foi a crise que vivemos, a crise que vive a Grécia. Isso sim é grave.”

Para González, os partidos políticos ainda não sabem responder a era das redes sociais, "por onde a população manifesta atualmente suas opiniões sobre o governo". Segundo ele, há uma demanda de diálogo nesse espaço que os partidos não observam.

“O que se precisa é de um segmento atento às iniciativas que surgem das redes sociais, de modo a tentar dialogar e interatuar com elas, porque uma parte dessas iniciativas expressam um desejo de participação na coisa pública não canalizado através dos partidos”, acrescentou.

No programa, exibido pela TV Brasil, o ex-presidente espanhol afirmou que o único político que sabe agir nas redes sociais é o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. “Obama colocou uma equipe de jovens contestando as iniciativas de redes sociais, por exemplo do Facebook”.

De acordo com González, a mensagem deixada pelo governo norte-americano é que “quando você consegue 10 mil seguidores de sua iniciativa, o governo se compromete a responder racionalmente”.

À frente da Espanha por mais de 13 anos, González avaliou que um governo bem-sucedido precisa ser eficiente, previsível e, portanto, inspirar confiança no mercado e em outros países. “Às vezes, um governo é previsível, mas a eficiência está em questão. Os processos e as decisões em levar adiante os projetos demoram muito. O estado tem de ser eficiente, mas a previsibilidade não depende só da vontade. É preciso que haja regras aceitáveis dentro do governo entre distintos períodos.”

Felipe González foi o terceiro presidente espanhol após o fim da ditadura de Francisco Franco, que durou 47 anos. Ele chefiou o Poder Executivo na Espanha de 1982 a 1996. Durante seu governo, a Espanha viveu um momento de expansão econômica e modernização, induzido pela adesão do país à União Europeia.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247