Governo articula acordo de aeroviários com empresas para evitar greve

O ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, recebeu nesta quarta-feira (18) representantes do Sindicato Nacional dos Aeronautas, que representa pilotos, copilotos e comissários de voo, para intermediar uma solução com as empresas do setor e evitar a greve da categoria, marcada para a próxima sexta-feira (20); aeronautas pedem reajuste de 8% nas cláusulas econômicas, além de aumento de folgas e a possibilidade de o tripulante se locomover em aeronaves de outras empresas

SALVADOR,BA,17.12.2013:AEROPORTO INTERNACIONAL SALVADOR/PROTESTO - Aeroviários protestam no Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães, em Salvador, BA, na manhã desta quarta-feira (18). Eles reivindicam melhores condições de trabalho. (Foto:
SALVADOR,BA,17.12.2013:AEROPORTO INTERNACIONAL SALVADOR/PROTESTO - Aeroviários protestam no Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães, em Salvador, BA, na manhã desta quarta-feira (18). Eles reivindicam melhores condições de trabalho. (Foto: (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sabrina Craide
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, recebeu nesta quarta-feira (18) representantes do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), que representa pilotos, copilotos e comissários de voo, para intermediar uma solução com as empresas do setor e evitar a greve da categoria, marcada para a próxima sexta-feira (20). Moreira Franco disse que está conversando com os dois lados "o tempo todo" para buscar um entendimento.

"É fundamental que haja um ambiente de entendimento, de conciliação, para que possamos servir adequadamente o passageiro brasileiro. Nós vamos ter na sexta-feira (20) um recorde de passageiro por dia. Mais de 350 mil passageiros estarão viajando para passar as festas com as famílias, então é importante que não tenha nenhum conflito, nenhuma tensão", disse o ministro à Agência Brasil.

Os aeronautas pedem um reajuste de 8% nas cláusulas econômicas, além de avanços sociais como aumento de folgas e a possibilidade de o tripulante se locomover em aeronaves de outras empresas. A proposta das empresas prevê reajuste do piso salarial em 7%, aumento de 5,6 % dos salários até R$ 10 mil e, em valor fixo, elevação de R$ 560 dos salários acima de R$ 10 mil, além de aumento de 8% no vale-refeição. O reajuste proposto no valor do vale-alimentação e demais cláusulas econômicas é 5,60%.

O vice-presidente do SNA, José Adriano Castanho, que participou da reunião com Moreira Franco, disse que a categoria busca um acordo para evitar a greve. Segundo ele, o maior impasse está na discussão das cláusulas sociais, especialmente sobre o aproveitamento das horas disponíveis dos aeronautas e as condições em que eles ficam nos aeroportos.

O encontro desta quarta-feira foi intermediado pelo presidente da Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS). "Eu acredito que um empurrão do governo pode facilitar as coisas. A diferença entre o oferecido pelas empresas e a proposta final do sindicato está muito próxima. Com bom senso, as duas partes podem chegar num consenso", destacou o parlamentar.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247