Governo Bolsonaro fica em penúltimo lugar no ranking nacional de transparência na pandemia

Ceará está em primeiro lugar. Ranking publicado pela ONG "Transparência Internacional" aponta desempenho dos estados e governo federal na transparência com a divulgação dos contratos emergenciais feitos durante a pandemia de Covid-19

Jair Bolsonaro e Camilo Santana.
Jair Bolsonaro e Camilo Santana. (Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo de Jair Bolsonaro é o segundo menos transparente na divulgação dos contratos emergenciais feitos durante a pandemia de Covid-19, ficando na frente apenas o Estado de Roraima. 

O ranking foi divulgado nesta sexta-feira (31) pela ONG Transparência Internacional. É a primeira vez que o governo federal é avaliado no levantamento. 

Segundo reportagem do Portal G1, a Transparência Internacional avaliou que o principal portal de informações sobre coronavírus do governo, que encontra-se desde maio sem ministro da Saúde, mostra poucos detalhes sobre as contratações e não tem os dados em formato aberto, o que é considerado importante para a transparência porque permite o cruzamento com outras informações. 

A reportagem indica que o péssimo índice do governo contrasta com os bons desempenhos apresentados por estados e prefeituras, que melhoram consideravelmente seu desempenho no ranking.

Ceará é o estado mais transparente

O ranking também apontou que o estado mais transparente na divulgação de contratos emergenciais foi o Ceará, governado por Camilo Santana (PT-CE), seguidos por Espírito Santo e Rondônia. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email