Governo Bolsonaro omite dados sobre violência policial de relatório sobre direitos humanos

Ministério da Mulher, da Família e Direitos Humanos, responsável pelo relatório "Disque Direitos Humanos", alegou que os dados sobre violência policial no país ao longo do ano passado eram "inconsistentes"

(Brasília – DF, 09/06/2020) Presidente Jair Bolsonaro e ministros durante 34ª Reunião do Conselho de Governo.
(Brasília – DF, 09/06/2020) Presidente Jair Bolsonaro e ministros durante 34ª Reunião do Conselho de Governo. (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo Jair Bolsonaro, por meio do Ministério da Mulher, da Família e Direitos Humanos, excluiu do relatório "Disque Direitos Humanos" dados e indicadores sobre a violência policial registrada no Brasil ao longo do ano passado. A alegação é que os dados coletados são “inconsistentes”.

O documento é considerado uma das principais ferramentas sobre a violação de direitos humanos no país sobre a violação dos direitos humanos. O material é produzido com base em registros do Disque 100, um canal criado em 1997 para atender as denúncias contra os direitos humanos em todo o Brasil. 

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, os índices já vinham apresentando crescimento nos últimos anos. Em 2016, foram registrados  1.009 casos, passando para 1.319 (+ 30,7%) no ano seguinte. Em 2018 o acréscimo foi de 24%, chegando a 1.637 casos. 

Segundo o advogado e membro do grupo Tortura Nunca Mais Ariel de Castro Alves, ouvido pela reportagem, a não divulgação dos dados parece "algo sob encomenda", voltado às bases de Jair Bolsonaro, "onde ele tem mais tem apoio, que são as policiais estaduais". "Principalmente as militares que são as principais denunciadas", completou.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247