Governo cede e terá de pagar R$ 5 bilhões para sair acordo com caminhoneiros

O acordo que o governo tenta fechar com os caminhoneiros vai custar R$ 5 bilhões; segundo estimativas da área econômica, esse é o valor para garantir que os reajustes de preços do diesel sejam mensais e não diários até o final deste ano; a proposta inicial de só zerar a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) foi rejeitada pela categoria

Caminhoneiros bloqueiam BR-040 em Luziania, perto de Brasília 23/05/2018 REUTERS/Adriano Machado
Caminhoneiros bloqueiam BR-040 em Luziania, perto de Brasília 23/05/2018 REUTERS/Adriano Machado (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O acordo que o governo tenta fechar com os caminhoneiros vai custar R$ 5 bilhões. Segundo estimativas da área econômica, esse é o valor para garantir que os reajustes de preços do diesel sejam mensais e não diários até o final deste ano.

Os caminhoneiros não aceitaram a proposta do governo, que só pretendia zerar a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) sobre o diesel. Com o avanço dos protestos, que comprometeram a distribuição de mercadorias e combustíveis no país, a Petrobras anunciou, na quarta (23), descontos de 10% no diesel nas refinarias por 15 dias para dar tempo ao governo negociar com o setor.

Isso não foi suficiente para atender à demanda principal dos caminhoneiros: a previsibilidade dos reajustes de preços. O governo cedeu e se comprometeu a garantir descontos de 10% por mais 15 dias – que custarão R$ 350 milhões – e assumiu subsidiar a Petrobras que, por sua vez, passará a fazer reajustes mensais em vez de repassar as variações de preço diariamente para as refinarias, como funciona hoje.

Leia mais aqui.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247