CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Brasil

Grupos de extermínio são suspeitos da morte da juíza

Assassinato de Patrcia Acioli pode ter sido crime encomendado por milicianos que atuam na regio de So Gonalo

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

As investigações sobre o assassinato da juíza Patrícia Lourival Acioli indicam crime encomendado por integrantes de grupos de extermínio e de milicianos que atuam em São Gonçalo. Titular da 4.ª Vara Criminal do município, a magistrada, de 47 anos, ganhou notoriedade pelas condenações rigorosas.

Ontem, ao chegar à Delegacia de Homicídios, o presidente da Associação dos Magistrados do Brasil, desembargador Nelson Calandra, deixou escapar que a polícia estaria trabalhando com a possibilidade de um grupo de envolvidos no assassinato. “Dos 12 que praticaram o atentado que vitimou a nossa colega, muitos devem ter condenações anteriores, que ficam transitando em quatro instâncias e só são cumpridas quando o Supremo Tribunal Federal determina”, relatou. Calandra reuniu-se com a chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, e com o diretor do Departamento de Homicídios, Felipe Ettore.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Martha, que acompanha pessoalmente o caso, não deu detalhes sobre as investigações. Contrariada, a delegada disse que “o silêncio neste momento é importante”. Até a tarde de ontem, 18 depoimentos de parentes e vizinhos da vítima haviam sido tomados. O vigia da guarita de acesso à rua da juíza confirmou ter visto dois homens em uma moto, que interceptaram o carro da magistrada.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO