Há 15 dias, Thaméa Danelon sonhava com um STF composto por Moro, Bretas, Janaína e Carvalhosa

Em uma postagem no Twitter de 2 de setembro deste ano, a procuradora da Lava Jato flagrada admitindo ter aceitado redigir uma minuta para que o advogado privado Modesto Carvalhosa pedisse o impeachment do ministro do STF Gilmar Mendes, Thaméa Danelon escreveu que "com certeza teríamos um outro Brasil" se o Supremo tivesse essa formação

(Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

247 - A procuradora do Ministério Público de São Paulo Thaméa Danelon, flagrada na Vaza Jato nesta segunda-feira 16 atuando para tentar derrubar o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, sonhava ainda recentemente com um STF composto por figuras ligadas à Lava Jato, além de outros nomes.

Em uma postagem no Twitter de 2 de setembro deste ano, a procuradora da Lava Jato citou o ex-juiz e atual ministro Sergio Moro, o juiz da Lava Jato no Rio de Janeiro, Marcelo Bretas, e ainda a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP), responsável pelo pedido de impeachment contra Dilma Rousseff, e o advogado Modesto Carvalhosa, com quem se associou para o gesto contra Gilmar, de acordo com os vazamentos.

Nas mensagens vazadas na noite desta segunda, Thaméa admite ao chefe da força-tarefa no Paraná, Deltan Dallagnol, ter aceitado um pedido de Carvalhosa para redigir uma minuta que pediria o impeachment de Gilmar Mendes. O advogado acabou apresentando dois pedidos de impeachment contra o magistrado. Ela recebeu apoio total de Dallagnol, que ainda se ofereceu para revisar o texto e sugeriu que ela contatasse a força-tarefa no Rio, onde havia "tudo documentado" para derrubar Gilmar.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247