'Há longo caminho para a valorização da mulher'

Coordenadora da bancada feminina da Câmara, deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) diz que o grupo vislumbra sentimentos contraditórios no Dia Internacional da Mulher, celebrado neste sábado 8; "Temos uma mulher na presidência, vimos crescer em 25% a presença de mulheres nos ministérios, mas enfrentamos essa luta cotidiana da falta de infraestrutura para as brasileiras trabalharem"

Plen�rio Ulysses Guimar�es
Sess�o Solene em homenagem ao vice-presidente da Rep�blica Jos� de Alencar
Dep. jo Moraes
Foto: Janine Moraes
27.04.2010
Plen�rio Ulysses Guimar�es Sess�o Solene em homenagem ao vice-presidente da Rep�blica Jos� de Alencar Dep. jo Moraes Foto: Janine Moraes 27.04.2010 (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Idhelene Macedo, Agência Câmara - A coordenadora da bancada feminina da Câmara dos Deputados, Jô Moraes (PCdoB-MG), reconhece avanços, mas diz que ainda há um longo caminho a percorrer para a valorização da mulher no Brasil.

Segundo ela, às vésperas do Dia Internacional da Mulher (8 de março), a bancada vislumbra sentimentos contraditórios. "Temos uma mulher na presidência, vimos crescer em 25% a presença de mulheres nos ministérios, aumentar o número de doutoras. Ao mesmo tempo, enfrentamos essa luta cotidiana da falta de infraestrutura para as brasileiras trabalharem, dificuldades de creches", explica. "Nossa preocupação é fazer com que as mulheres ocupem mais espaços de poder."

De fato, as mulheres ocupam hoje apenas 9% das vagas da Câmara e 13% das cadeiras do Senado. Para tentar reverter essa proporção, a bancada feminina listou como prioridade para 2014 a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 590/06) apresentada pela deputada Luiza Erundina (PSB-SP) que determina a presença de pelo menos uma mulher na composição das Mesas Diretoras e das comissões permanentes das duas Casas.

Em 2012, a deputada Rose de Freitas (PMDB-ES) ocupou a 1ª vice-presidência da Câmara, mas, no ano passado, a bancada feminina voltou a ficar sem representante na Mesa Diretora. A situação se repetirá neste ano, porque o mandato é de dois anos.

Políticas públicas

Segundo Jô Moraes, ao ocupar esses "cargos de poder", as mulheres vão ajudar a resolver questões que também afetam homens, idosos e crianças."Serão definidas políticas públicas que atendam a metade da humanidade: creches, assistência à saúde, apoio ao enfrentamento à violência e, sobretudo, esse empoderamento da mulher. A mulher é capaz; ela é que não sabe da sua força."

A PEC 590/06 foi aprovada por comissão especial em 2009 e chegou a ser incluída na pauta do Plenário em 2010, mas não houve acordo para votação. Apesar das resistências, Jô Moraes assegura que a bancada feminina vai continuar empenhada na apreciação desse e de outros projetos que permitirão maior participação das mulheres na política.

A bancada também quer a aprovação de propostas que garantam a equidade de gênero no trabalho e que preveem punição mais rígida para quem praticar violência contra as mulheres.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email