Haddad: PIB segue Bolsonaro e recua

Com a nova redução da projeção do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano, que caiu de 1,95% para 1,71%, divulgada nesta segunda-feira (22) pelo mercado financeiro, o ex-ministro da Educação, Fernando Haddad (PT-SP), fez uma analogia com o comportamento que vem sendo padrão do presidente Jair Bolsonaro e ironizou: "PIB segue Bolsonaro e recua"

Haddad: PIB segue Bolsonaro e recua
Haddad: PIB segue Bolsonaro e recua (Foto: ABr | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com a nova redução da projeção do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano, que caiu de 1,95% para 1,71%, divulgada nesta segunda-feira (22) pelo mercado financeiro, o ex-ministro da Educação, Fernando Haddad (PT-SP), fez uma analogia com o comportamento que vem sendo padrão do presidente Jair Bolsonaro e ironizou: "PIB segue Bolsonaro e recua".

Kelly Oliveira (Agência Brasil) - Instituições financeiras reduziram pela oitava vez seguida a projeção para o crescimento da economia brasileira este ano.

A estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – agora caiu de 1,95% para 1,71% este ano.

Para 2020, também houve redução: de 2,58% para 2,50%. Essa foi a quinta redução consecutiva. As estimativas de crescimento do PIB para 2021 e 2022 permanecem em 2,50%.

Os números constam do boletim Focus, publicação semanal elaborada com base em estimativas de instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos. O boletim é divulgado às segundas-feiras, pelo Banco Central (BC), em Brasília.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247