Haddad: se Bolsonaro conseguir bloquear Fundeb haverá caos na educação e mil prefeituras irão fechar

O bloqueio do Fundeb pelo governo Bolsonaro causará caos na educação e fechamento de prefeituras. A afirmação é de Fernando Haddad. A votação do Fundeb está marcada para esta segunda-feira na Câmara dos Deputados

www.brasil247.com - Fernando Haddad, Jair Bolsonaro e sala de aula
Fernando Haddad, Jair Bolsonaro e sala de aula (Foto: Ricardo Stuckert | Reuters | Pillar Pedreira/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Fernando Haddad afirmou em entrevista à GloboNews na noite deste domingo que a proposta do governo Bolsonaro de adiar o Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica) para 2022 levaria a um caos na educação e ao fechamento de prefeituras: "Se [o Fundeb] não tiver vigência em 2021, tem prefeitura que vai fechar, porque não terá recursos. Teremos crise em 1.000 municípios. Não adianta retomar em 2022, o estrago terá feito. São municípios pobres que precisam de ajuda, e dependem do governo. Isso vai gerar um caos na educação". A votação do Fundeb está marcada para a tarde desta segunda-feira (20) na Câmara dos Deputados.

Haddad foi taxativo quanto à relevância do Fundeb, que "não envolve governo, envolve geração". Para ele, "está faltando seriedade" para o Executivo.

"Os militares estão pedindo no orçamento da defesa R$ 50 bilhões a mais. Isso é três vezes o que a União complementa para o Fundeb. Qual a prioridade desse governo? Não sabemos se está faltando ou sobrando. Parece que sobra para muita gente e falta para o povo", questionou Haddad na entrevista.

PUBLICIDADE

A nova versão da PEC do Fundeb apresentada sexta-feira (17) pela relatora, a deputada federal Dorinha (DEM-TO), determina o aumento gradual da complementação da União ao fundo, que é usado para financiamento da educação básica. O aporte do governo federal subirá dos atuais 10% para 20% em seis anos.

O governo Bolsonaro quer limitar os recursos do Fundeb que poderão ser utilizados para o pagamento de salários de professores, além de repassar parte dos recursos para Renda Brasil, versão bolsonarista do Bolsa Família, e adiar a entrada em vigor das mudanças em discussão no fundo para 2022. 

PUBLICIDADE

As modificações foram criticadas por entidades e especialistas da área da educação, que disseram que o adiamento para 2022 cria um "vácuo de recursos para 2021", já que as regras para o fundo atual acabam neste ano. O texto da PEC estabelece que as novas regras começam a valer no ano que vem.

"[Cria-se] um "apagão" para o financiamento e um colapso para a educação básica no Brasil no ano de 2021", afirmou o Conselho Nacional de Secretários da Educação (Consed), em nota.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email