CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Brasil

Hélio Bicudo: "estamos partindo para uma ditadura do Judiciário"

Para o jurista e um dos autores do pedido de impeachment da presidente eleita Dilma Rousseff,o advgado Hélio Bicudo, o STF invadiu a área de atuação do Legislativo ao afastar Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da Presidência da Câmara dos Deputados; "Acho que essa última decisão do Judiciário (afastamento de Cunha) é uma decisão do PT", comentou; segundo ele, o assunto seria de competência exclusiva da Câmara;  "O Supremo Tribunal Federal não pode intervir nos outros poderes como poder prevalente. Acho que essa questão teria que ter sido amplamente discutida para se tornar uma decisão [...] acho que estamos partindo para uma ditadura do Poder Judiciário, o que é muito ruim para o país", afirmou

Imagem Thumbnail
Jurista e advogado Hélio Bicudo (Foto: Paulo Emílio)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

ConjurO Supremo Tribunal Federal extrapolou sua competência e invadiu a área de atuação do Legislativo ao afastar Eduardo Cunha da Presidência da Câmara dos Deputados. "Acho que essa última decisão do Judiciário (afastamento de Cunha) é uma decisão do PT", especula o advogado Hélio Bicudo em entrevista à revista da Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo (Caasp).

Mesmo com o deputado sendo acusado de usar sua influência sobre outros parlamentares para manter seu mandato, Bicudo vê o assunto como competência exclusiva da Câmara. "O Supremo Tribunal Federal não pode intervir nos outros poderes como poder prevalente. Acho que essa questão teria que ter sido amplamente discutida para se tornar uma decisão [...] acho que estamos partindo para uma ditadura do Poder Judiciário, o que é muito ruim para o país."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Até a decisão unânime da corte sobre o afastamento do réu na "lava jato" e segundo na linha sucessória presidencial com o afastamento de Dilma Rousseff é justificada por Bicudo. "A unanimidade muitas vezes se faz por um problema de gostar ou não gostar, nunca é tipicamente jurídica. Às vezes é solidariedade a outro membro do tribunal... eu acho que essa questão veio à baila muito mais por causa do impeachment da Dilma do que pelo próprio caso do Eduardo Cunha."

Respostas evasivas

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O advogado se mostra mais brando quando questionado sobre as práticas dos governadores, que também podem ser caracterizadas como crimes de responsabilidade. "Nesses casos em que os estados estão comprometidos [de suposta irresponsabilidade fiscal e uso indevido de dinheiro público], que cada estado atue no sentido de apurar as responsabilidades dos seus governadores."

Afirma ainda que, além das questões políticas e jurídicas que envolvem o processo de impeachment, o procedimento "tem muito da oportunidade".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Bicudo também evita dar respostas diretas sobre o nível da composição da Câmara dos Deputados. Questionado se a Casa é mais conservadora atualmente, ele diz apenas que "pode ser". Sobre os "discursos" dos parlamentares na votação do impeachment — que contaram com saudações às famílias dos votantes, a Deus e críticas à corrupção por pessoas investigadas pela prática —, o advogado considera esse "um problema do nosso metier político".

"Essa é uma questão da Câmara que eu não discuto [...] Os nossos políticos são esses, e nós temos que atuar com esses políticos que estão aí, que fomos nós que colocamos no poder", disse Hélio Bicudo.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ao falar sobre as manifestações contra e pró-impeachment, Bicudo garante que os manifestantes contrários ao impedimento foram pagos para estar lá. "Não todos, mas os puxadores sim", diz. Porém afirma apenas que "pode ser" que a Fiesp e a Força Sindical, favoráveis ao afastamento de Dilma, também tenham gasto grandes quantias para organizar as manifestações favoráveis à saída da presidente afastada.

Erros de Fleury

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ao falar sobre seu passado como procurador de Justiça e seu combate ao esquadrão da morte — capitaneado pelo temido delegado Sérgio Fernando Paranhos Fleury —, Bicudo conta que Fleury foi uma das engrenagens do Regime Militar brasileiro por muito tempo, mas perdeu sua importância porque "andava bebendo muito e falando o que não devia falar".

Bicudo garante que a tese de que Fleury, morto em 1979, teria sido assassinado pelos militares é verdadeira. "Por que ele foi enterrado sem autópsia, em caixão fechado?"

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ainda sobre o passado, ele conta que saiu do PT por discordar da maneira como o partido conduzia os problemas públicos. Diz ainda que sindicância interna feita por ele junto a outras grandes figuras da sigla mostra todos os elementos desabonadores da atuação do partido.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO