Homem branco chega a ganhar mais que o dobro da mulher negra na mesma profissão, diz estudo

De acordo com levantamento do Insper, entre médicos formados em instituições privadas, o salário é de R$ 3.723,49 para mulheres e R$ 8.638,68 para homens, respectivamente. A pesquisa também mostrou que homens brancos com ensino superior em instituição pública têm um salário médio 159% maior na comparação mulheres negras que também cursaram faculdade

(Foto: Mídia NINJA)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um levantamento do Insper apontou que, entre médicos formados em instituições privadas, o salário é de R$ 3.723,49 para mulheres e R$ 8.638,68 para homens, respectivamente. Entre os formados em universidade pública, as mulheres negras têm um salário médio de R$ 6.370,30, enquanto os homens brancos ganham R$ 15.055,84. 

Na área de ciências sociais, um rapaz branco formado em universidade pública tem uma remuneração de R$ 8.814,05. A mulher negra recebe R$ 4.141,69. As estatísticas foram divulgadas pelo portal G1. 

De forma geral, o salário médio de uma mulher negra com diploma universitário de instituição pública é de R$ 3.047,51, e das que estudaram em universidades privadas têm uma remuneração média de R$ 2.902,55.

Os homens brancos formados em universidades públicas têm um salário médio de R$ 7.891,78, e os que possuem ensino superior privado alcançam um ganho médio de R$ 6.626,84, uma diferença em relação às mulheres negras de 159% e 128%, respectivamente.

Diretora executiva do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert), Cida Bento destacou que "a mulher negra, em todos os índices, seja na área de educação, trabalho, saúde, é sempre a base". "E isso tem a ver com essa combinação, essa intersecção, de gênero e raça, que complica mais a situação. A discriminação que já incide sobre as mulheres de forma geral, incide mais fortemente sobre a mulher negra", disse.

O trabalho foi conduzido pelos pesquisadores do Insper Beatriz Ribeiro, Bruno Komatsu e Naercio Menezes Filho com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2016 e 2018.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247