Igreja critica uso de santos católicos na Parada Gay

Uso desrespeitoso da imagem dos santos populares ofende os prprios santos e os sentimentos religiosos do povo, diz dom Odilo Scherer, arcebispo de So Paulo; "embate no nosso, entre a Igreja e os organizadores", diz assessoria do prefeito Kassab

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A AIDS voltou a avançar entre o público homossexual. E uma das formas encontradas pelos organizadores da 15ª Parada do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e travestis) para barrar esse avanço foi a de mesclar sexo e religião. Em grandes cartazes pendurados a postes ao longo do trajeto do evento, entre a avenida Paulista e a praça Roosevelt, imagens nitidamente católicas foram transformadas em peças gays. Sob o slogan Nem Santo Te Protege e, abaixo, Use Camisinha, fotos de rapazes com postura gay foram inseridas em poses tradicionais de santos da igreja católica. A publicidade promete causar bastante polêmica. Os organizadores calcularam 4 milhões o número de participantes.

“Muitos acreditam na sua própria invulnerabilidade, e esse é o maior erro”, diz a educadora Márcia de Lima, da secretaria municipal da Saúde. Ela admite que as estatísticas apontam o recrudescimento da AIDS entre o público gay. Ao longo da 15ª Parada Gay, a Prefeitura de São Paulo distribuiu 1,5 milhão de camisinhas entre os participantes.

"O uso desrespeitoso da imagem dos santos populares ofende os próprios santos e os sentimentos religiosos do povo", criticou o arcebispo metropolitano de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer.

A Parada começou oficialmente por volta das 13h30. A organização projetou a participação de 3 milhões a 4 milhões de pessoas. O evento começou com uma valsa coletiva em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp) para comemorar os 15 anos do evento. A chuva que caiu sobre a Avenida Paulista por cerca de 20 minutos no início da tarde não desanimou o público. Os trios elétricos começaram a tocar por volta das 13h40.

A senadora Marta Suplicy (PT-SP); o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ); a cantora e atriz Preta Gil e a ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, fizeram discursos contra a homofobia e comemoraram a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de reconhecer as uniões homoafetivas como entidades familiares.

Na vídeo-reportagem abaixo, acompanhe o trabalho de distribuição de preservativos e folhetos sobre a AIDS:


O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email