Investigação não apontava para Ongs, mas a Polícia agiu contra elas mesmo assim

O Ministério Público Federal (MPF) em Santarém (PA) informou, nesta quarta-feira (27), "que nenhum elemento apontava para participação de brigadistas ou organizações da sociedade civil" nos incêndios na região de Alter do Chão

www.brasil247.com -
(Foto: Brigada de Alter do Chão)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O Ministério Público Federal (MPF) em Santarém (PA) informou, nesta quarta-feira (27), "que nenhum elemento apontava para participação de brigadistas ou organizações da sociedade civil" nos incêndios na região de Alter do Chão. O órgão disse ter enviado um ofício à Polícia Civil do Pará pedindo acesso ao inquérito que acusa brigadistas. Na última terça (26), quatro voluntários foram presos preventivamente. A posição do MPF-PR é um "balde de água fria" em Jair Bolsonaro, que tem acusado ONGs de incêndios na Amazônia. 

"Ao contrário, a linha das investigações federais, que vem sendo seguida desde 2015, aponta para o assédio de grileiros, ocupação desordenada e para a especulação imobiliária como causas da degradação ambiental em Alter", afirmou o MPF em nota.

De acordo com os promotores, a região é objeto de cobiça das indústrias turística e imobiliária e sofre pressão de invasores de terras públicas.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email