Jamil Chade: Eduardo Bolsonaro gera indignação e pânico na diplomacia brasileira

Jornalista Jamil Chade faz referência ao post de Eduardo Bolsonaro no Twitter em que ele apoia a invasão à embaixada venezuelana em Brasília. "Pelas regras internacionais, cabe ao governo proteger todas as embaixadas em seu território", destaca o jornalista

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista especializado em política interncional Jamil Chade afirma que "uma mensagem nas redes sociais por parte de Eduardo Bolsonaro, insinuando um apoio à invasão da embaixada da Venezuela em Brasília, causa pânico e indignação numa ampla parcela do Itamaraty"

"O motivo: o Brasil ainda tem uma embaixada e um consulado operando normalmente em Caracas e, caso haja uma chancela do governo brasileiro ao ato em Brasília, a segurança dos diplomatas do país no exterior poderia estar comprometida", destaca Chade em seu blog.

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) escreveu no Twitter. "Nunca entendia essa situação. Se o Brasil reconhece Guaidó como presidente da Venezuela por que a embaixadora Maria Teresa Belandria, indicada por ele, não estava fisicamente na embaixada? Ao que parece agora está sendo feito o certo, o justo", disse.

O jornalista reforça que, "pelas regras internacionais, cabe ao governo proteger todas as embaixadas em seu território". "A segurança do escritório venezuelano em Brasília, portanto, seria de responsabilidade do estado brasileiro. No Itamaraty, há quem preveja que o Brasil poderá ser denunciado por violar a Convenção de Viena de 1961 que regula os privilégios e imunidade diplomática".


O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247