Jessé Souza: Moro é o trombadinha da elite do atraso

Sociólogo, autor de 'A elite do atraso' aponta o preconceito classista da Lava Jato; "O tema da corrupção seletiva é para dar uma falsa dignidade moral a esse ódio contra os pobres”, diz; Jessé Souza também afirma que “Moro foi um atorzinho da Rede Globo que faz o trabalho sujo da elite da rapina"; assista

(Foto: Editora 247)

247 - Diante de mais um escândalo nacional com os vazamentos das conversas entre o ex-juiz e atual ministro Sergio Moro e procuradores da Lava Jato, o sociólogo Jessé Souza, autor do best-seller A Elite do Atraso, falou à TV 247 e criticou duramente a operação e a figura de Moro, definido por ele como ”‘o trombadinha da elite do atraso”.

Em uma análise macro sobre a Lava Jato, Jessé acredita que a forma como foi conduzida a operação é classista. “A elite usa a classe média como detentora da moralidade. No fundo, a classe média é voltada para ser um bolsão racista, pois é branca, e luta para manter os pobres oprimidos e humilhados. O tema da corrupção seletiva é para dar uma falsa dignidade moral a esse ódio contra os pobres”.

“O que acontece agora com Lula já aconteceu com Lacerda, contra Getúlio, com os militares contra Jango, contra Brizola”, exemplificou. “A Lava Jato é uma operação de bandidos, é uma fraude do começo ao fim. Não tem nada de positivo nela”, disse ainda.

“A Lava Jato é uma operação miliciana que opera através de dossiês, ameaças, chantagens e extorsões. Agora isso está ficando comprovando. Moro é o trombadinha da elite do atraso”, prossegue o escritor em sua crítica.

Sobre Sergio Moro, Jessé Souza criticou de forma enfática a versão de que são “normais” as conversas que ele manteve com os integrantes da força-tarefa da Lava Jato, sugerindo testemunhas para depor no processo contra Lula, acelerar novas etapas da operação e até mesmo ignorar processos - como no caso de FHC. “Moro disse na TV que é normal um juiz se envolver com as partes. Isso é absurdo, ele é um canalha”.

Em sua avaliação, a Lava Jato tinha um propósito maior: “um braço da Lava Jato serviu para perseguir Lula, o outro era os EUA. A operação destruiu a Petrobras, criminalizou a empresa para ser dada de presente aos americanos e seus aliados. A Lava Jato só fez o trabalho sujo da elite brasileira”.

“O Moro foi um atorzinho da Rede Globo que faz o trabalho sujo da elite da rapina, que quer vender o Brasil e não possui projeto algum. 70% da classe média é racista e Moro representa essa classe que odeia pobres e negros”, apontou Jessé.

Ao analisar as consequências dos atuais fatos políticos, Jessé Souza prevê a possibilidade do que chama de “golpe miliciano” e chamou a responsabilidade para as instituições brasileiras. “Se o Ministério Público defender Dallagnol e sua quadrilha, ele vai para o esgoto. O STF também. Estamos em um momento crítico, existe uma ameaça real de um golpe miliciano”.

Para ele, o Supremo está “entre a cruz e a espada” sobre o processo contra Lula, que, diante dos vazamentos, correria o risco de ser anulado. “Lula solto iria conclamar uma revolução popular e, com sua autoridade, ele reverteria esse processo. Por isso o STF está entre a cruz e a espada”. “O jogo de criminalizar o Lula e o PT foi o grande crime da Lava Jato. Isso gerou o Bolsonaro”.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista:

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247