Joesley e Saud devem ser transferidos para prisão em Brasília nesta segunda-feira

Empresário Joesley Batista, um dos donos da empresa JBS, e o executivo do grupo J&F Ricardo Saud, que Brasília nesta segunda-feira (11). Joesley e Saud tivarem suas prisões preventivas decretadas pelo ministro do ST Edson Fachin; pedido de prisão foi feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Jano; ministro acolheu parcialmente o requerimento do procurador porque não mandou prender outro personagem desse novo capítulo do caso JBS, o ex-procurador da República Marcelo Miller – sob suspeita de fazer jogo duplo em favor do grupo empresarial

Joesley Batista presta depoimento na Polícia Federal em SP São Paulo - O empresário Joesley Batista, dono da JBS, deixa a sede da Superintendência da Polícia Federal após prestar depoimento (Rovena Rosa/Agência Brasil)
Joesley Batista presta depoimento na Polícia Federal em SP São Paulo - O empresário Joesley Batista, dono da JBS, deixa a sede da Superintendência da Polícia Federal após prestar depoimento (Rovena Rosa/Agência Brasil) (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O empresário Joesley Batista, um dos donos da empresa JBS, e o executivo do grupo J&F Ricardo Saud, que Brasília nesta segunda-feira (11). Joesley e Saud tivarem suas prisões preventivas decretadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin. O pedido de prisão foi feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

 O ministro acolheu parcialmente o requerimento do procurador porque não mandou prender outro personagem desse novo capítulo do caso JBS, o ex-procurador da República Marcelo Miller – sob suspeita de fazer jogo duplo em favor do grupo empresarial.  

Antes de se apresentaram à PF, Joesley estava na casa do pai,no Jardim Europa, e Saud estava em seu apartamento, localizado no bairro do Morumbi. Com a autorização de Fachin os benefícios da delação premiada de Joesley e Saud devem ser rescindidos.

O acordo de delação prevê que a validade dos termos poderá ser revogada caso o colaborador minta, omita, sonegue ou destrua provas. A validade das provas obtidas a partir da deleção, porém, continuam válidas, segundo entendimento de parte dos ministros do STF. 

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247