Jornalista aponta farsa na anulação do decreto da Amazônia

"Atenção: Temer e Sarney Filho fazem jogo de cena. Não revogaram coisa nenhuma na Amazônia. O 'novo decreto' sobre extinção da Reserva Nacional de Cobre não muda rigorosamente nada em relação ao anterior. É marketing. Manipulação", escreve Alceu Castilho; diretor da WWF também avaliou que o novo decreto é inócuo

"Atenção: Temer e Sarney Filho fazem jogo de cena. Não revogaram coisa nenhuma na Amazônia. O 'novo decreto' sobre extinção da Reserva Nacional de Cobre não muda rigorosamente nada em relação ao anterior. É marketing. Manipulação", escreve Alceu Castilho; diretor da WWF também avaliou que o novo decreto é inócuo
"Atenção: Temer e Sarney Filho fazem jogo de cena. Não revogaram coisa nenhuma na Amazônia. O 'novo decreto' sobre extinção da Reserva Nacional de Cobre não muda rigorosamente nada em relação ao anterior. É marketing. Manipulação", escreve Alceu Castilho; diretor da WWF também avaliou que o novo decreto é inócuo (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alceu Castilho, em seu Facebook

Atenção: Temer e Sarney Filho fazem jogo de cena. Não revogaram coisa nenhuma na Amazônia. O "novo decreto" sobre extinção da Reserva Nacional de Cobre não muda rigorosamente nada em relação ao anterior. É marketing. Manipulação.

E toda a imprensa - distraída que é - banca essa farsa de modo acrítico, sem ler os dois projetos. Ou ouvir as fontes necessárias.

Basicamente é o seguinte: o governo está dizendo que "agora" o decreto preserva as Terras Indígenas (TI) e Unidades de Conservação (UC). Ocorre que esse item... já existia no decreto anulado. Sim, já existia!

É que a questão não é essa. A história da Amazônia mostra que a criação de infraestrutura no entorno - rodovias, usinas, mineração - traz um efeito cascata. As UCs e TIs serão inapelavelmente impactadas - mais do que já são. E é disso que organizações como o WWF já estavam falando. Há meses.

O ministro do Meio Ambiente diz que o novo decreto traz um "vigor muito maior" na garantia das unidades de conservação. Vigor marqueteiro, podemos completar.

Mudança para a Gisele Bündchen ver. Para o Luciano Huck capitalizar. E para os fãs da Anitta poderem dançar com a ilusão de que venceram, ao som das motosserras que não terão deixado de agir.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247