Juiz autoriza bloqueio de bens de Blairo Maggi

Decisão autoriza o bloqueio de até R$ 4 milhões do ministro da Agricultura e de outros oito réus de uma ação civil pública do Mato Grosso; na decisão, o juiz escreveu que "enfatiza o Ministério Público que o governador, à época, Blairo Maggi estimulou e permitiu a utilização de factoring como forma de levantar recursos para fazer frente às despesas políticas, procedimento que teve continuidade no governo de Silval Barbosa"

Senador Blairo Maggi (PR-MT) debate projeto (PLC 57/2013) que estende aos veículos automotores de atividade agrícola, as mesmas isenções concedidas aos veículos de uso bélico: registro e licenciamento anual
Senador Blairo Maggi (PR-MT) debate projeto (PLC 57/2013) que estende aos veículos automotores de atividade agrícola, as mesmas isenções concedidas aos veículos de uso bélico: registro e licenciamento anual (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz Luís Aparecido Bertolucci Júnior, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, autorizou o bloqueio de bens em até R$ 4 milhões do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. A decisão atinge também outros oito réus de uma ação civil pública do Mato Grosso.

Na decisão, o juiz escreveu que "enfatiza o Ministério Público que o governador, à época, Blairo Maggi estimulou e permitiu a utilização de factoring como forma de levantar recursos para fazer frente às despesas políticas, procedimento que teve continuidade no governo de Silval Barbosa".

Conforme explica o portal jurídico Jota, "segundo o MP, foi montado no estado um esquema fraudulento que utilizava recursos públicos sob a aparência de factoring durante os governos de Blairo Maggi e Silval Barbosa (PMDB-MT). Factoring, também chamada de fomento mercantil, é uma operação financeira na qual uma empresa vende seus direitos creditórios – que seriam pagos a prazo – por meio de títulos a um terceiro, que compra estes à vista, com um desconto".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247